Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Que ELE cresça...

"Convém que ELE cresça e eu diminua". 

E como fazer isso na prática? 
Quando decidimos viver por Fé Nele, automaticamente, Ele cresce e a gente diminui. Pois é impossível agir por fé sem que antes Ele cresça em nós, ou seja, sem que a gente diminua. 
É impossível viver por Fé sem negarmos nossa opinião baseada em coisas que vemos, em conhecimentos "humanistas", cheios de "racionalidade" e uma lógica contrária à Verdade. 
Sim, porque "lógica" pra quem vive em Fé é totalmente na contramão da lógica que vemos por aí. 

Viver por Fé é -muitas vezes- ir contra nossa própria alma, contra o que estamos sentindo. 
Ser guiado(a) pelo Espírito Santo é uma opção dada a todos nós. E o melhor, sem pré-requisitos. Só precisamos escolher crer. 
E não existe nada melhor do que tê-Lo no comando, na direção. Saber que Deus - que nos ama absurdamente- está nos guiando, nos leva ao descanso. 
Todas as vezes que eu tento tomar as rédeas das mãos Dele, abro espaço pra ansiedade, preocupação. 

Preste atenção, se você está preocupado, perdendo o sono, é sinal de que quem está te guiando é sua própria alma. 
Isso acontece mesmo. Não se condene. Mas, percebendo isso, é hora de alimentar seu espirito, sua Fé, para que sua alma submeta-se a Deus novamente. 
Nossa alma é teimosa, ela quer ver pra crer, ela quer sentir. 
Não firme-se em sua própria alma. "Não te estribes em teu próprio conhecimento". 
Tudo já foi feito. Descansemos em Deus. 

Lembrando que "descansar em Deus" não é ser passivo ou à toa; é agir debaixo de uma orientação Dele. Se Ele mandar parar, pare. Se Ele mandar andar, ande. 
Descansar em Deus é saber que Ele é fiel, zela por Sua palavra, e que tudo já foi feito em Cristo.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Nem toda "instabilidade" é ruim. Entenda.

-Às vezes você tem umas reações tão inesperadas...
-É, eu sei, eu sou diferente.
-Não, não estou dizendo isso.
-Como assim?
-O que eu causo em você? Parece que é uma mistura estranha de sentimentos...
-Você me desestabiliza.
-Desestabilizo porque mexo com você, e você está acostumado a manter-se no controle.
(silêncio)
E ela continuou:
-Diante de emoções assim temos duas opções: ou nos jogamos e voamos; ou travamos, tentando manter o controle, e perdemos "a viagem". [...] Me parece que ao invés de você associar essa "perda de controle" a algo maior, belo, livre e que pode crescer e te levar a outra dimensão...Você associa ao medo de perder o controle.  E o que era pra ser incrível se torna assustador. Você associa essa instabilidade a algo ruim, mas ESSA não é. É na vulnerabilidade que ganhamos, que somos humanos, que somos plenamente amados e amamos. Nesse caso, o que você chama de instabilidade é a vulnerabilidade necessária para que exista um relacionamento mais profundo. [...] Sabe, você também já me "assustou", hoje prefiro te achar incrível e tentar experimentar um voo com você. Mas isso só é possível se você saltar também. Seu medo te trava e me trava também.

Ele, sem saber o que dizer, não disse. Mais uma vez, não disse.
Houve silêncio de ambos por dias. Mas por dentro o barulho era ensurdecedor.
Tudo estava se mexendo dentro deles. Ela aceitou toda aquela mudança interna.
Ele?! Ele ainda tentava organizar de acordo com o que ele achava que era sensato. Tentava calar emoções mais fortes dando abertura para pequenas emoções, dando ouvido para carência e desejos que pudessem ser supridos com qualquer outra mulher.
Como isso já havia acontecido antes, a imprevisibilidade dele era previsível. O sumiço era roteirizado. 
Ela apenas aguardava o momento em que ele iria jogar fora o roteiro escrito pelo medo, e reescrever sendo guiado pela coragem da entrega do amor.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Quando o amor vence o medo.


À noite, quando Nina ia tirar a maquiagem pra dormir, de vez em quando, ela também tinha que tirar a "armadura".
Já faz um tempo que ela começou a usar isso. Na verdade, ela usa mais com UMA pessoa. Talvez pra proteger o coração. Talvez.
Mas é uma armadura pesada demais, requer muito esforço de Nina, visto que ela é uma pessoa espontânea.
A tal armadura? Segurar a espontaneidade, esconder a docilidade e demonstrar mais frieza. 
A grande questão é que demonstrar algo que não existe por dentro custa demais, pesa. Nina não conseguia ser fria por muito tempo, logo ela se traía. Ou melhor, traia aquela "pose toda".
Mas ela temia que confundissem docilidade com imaturidade, sensibilidade com fragilidade.
E cade vez que a emoção queria escorrer pelos olhos (seja por alegria ou tristeza), ela vestia aquela armadura. Até porque, ele também usava, e parecia que ela precisava estar vestida "a caráter" para a batalha.
E ao mesmo tempo ela pensava: "Mas não é uma batalha! É um relacionamento! Como posso usar isso? Não faz sentido! Não faz sentir..."

E mesmo quando ninguém estava olhando, ela se mantinha "dura" por fora. Mas por dentro...
Um dia ela não conseguiu mais! Desistiu de usar aquilo e, de repente, toda emoção escorreu de seus olhos. Ela não sabia o que falar, pensar, ...só estava liberando tudo aquilo que estava trancado, como se fosse proibido ou errado sentir.
Aquele : "Oi, amor, saudade de você, ... Quero cuidar de você, ..."  era substituído pelo nome próprio, e uma continuação sem sentimentalidade,.... Uma frase tão doce virava : "Oi, Gael, você está bem? Espero que sim."
Mas todas as palavras doces que ficaram no caminho, espalharam-se por dentro dela naquele dia.
Não há armadura que segure uma essência forte; mesmo que esse força seja na doçura. Uma hora a doçura se agiganta de tal forma que destrói o medo.

E depois de perceber-se, ela foi até ele para conversarem. Mas nenhuma palavra foi dita para chegarem a uma resolução prática. 
Quando ele a abraçou, ela se desfez, e já não se lembrava do roteiro programado em sua cabeça.
E o encontro culminou numa entrega maior do que qualquer palavra que pudesse ser dita.
Dias depois, Nina, sem entender o que eles estavam vivendo, o questionou: "nós não conversamos!"
E Gael, mostrando-se muito mais sensível do que parecia, respondeu: "SIM, CONVERSAMOS E MUITO. Apenas não usamos palavras."


quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Satisfação, uma questão de FUNCIONAR.

Sabe quando é que você fica feliz? 
Quando você funciona no seu chamado, quando você faz aquilo que Deus te chamou pra fazer. 
Eu costumo usar um exemplo bobo mas que funciona. 
Lembra da história do patinho feio (que na verdade era lindo)? 
Ele vivia com a outra família "normalmente". Mas ele não era pleno pois estava vivendo sob uma "natureza diferente". De repente, ele descobriu-se! 
Mas como ele descobriu-se? Quando ele conheceu sua origem. 
Nossa origem é Deus. Enquanto você fugir disso vai viver uma vida boa e ponto. Aliás, e PONTO DE INTERROGAÇÃO. Sim, porque sempre haverá uma pergunta sem resposta na alma, na mente, um vazio. 
Fomos criados Nele e para nos relacionarmos com Deus, através de Jesus. Essa é nossa origem. E dentro disso, cada um tem um outro chamado -além de FILHO. Um chamado, um propósito (ou missão...sei lá o nome que você quer dar) singular. 
Alguns são chamados para manifestar a natureza de Deus no ramo dos negócios, outros são chamados pra cuidar de gente, pra arte, ... Independente da área de atuação, somos chamados para manifestar o Reino dos Céus onde estivermos. 
E "chamado" não tem hierarquia ou grau de importância. 
E não tem que ser visto por homens, não são títulos. É um reconhecimento natural. 
O importante é que você funcione no seu.

Paz.

A coisa mais contraditória que fazemos é lutar pela paz. 
Fazem guerra pela paz. 
[Estou falando de guerra com o próximo, com marido, esposa, amigo também; e não apenas entre países.] 
Paz não se conquista, se gera. 
Vem de dentro, vem do Alto. 
Vem de um relacionamento com Cristo. Porque ELE é o Príncipe da Paz. 
Se você está tendo que lutar pra ter paz, pare e conheça o Deus da paz. 
Só há UM caminho.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Sabedoria de Vô.

Era noite. Liz e seu avô estavam sentados na varanda, olhando o Céu, comendo pão de queijo e tomando leite, como de costume.

-Vô, eu não entendo... Por que os adultos fazem isso?
-Isso o quê?
-Isso de querer ligar mas não ligar, querer abraçar mas não abraçar, querer falar mas não falar, querer atender o telefone mas demorar pra atender, não ver uma mensagem de alguém que há pouco tempo te deu um beijo...
-Ah! Minha filha, ... A maioria faz isso mesmo.
-Sim, mas por quê? O intuito da vida não é amar e ser amado? Que mal há em demonstrar afeto?
-Dizem que se você demonstra afeto a outra pessoa sente-se no poder.
-Poder? Mas quem falou em poder?
-É assim que funciona. A vaidade da conquista, do poder, ... "tudo é vaidade".
-Mas quem ditou isso? Por que pra mim isso é tão anti-natural? Eu acho tão bom fazer as pessoas sentirem-se amadas, especiais...
-É, mas pouca gente valoriza isso. Se você as ama de graça, elas 'perdem a graça' com você. Gostam de testar seu próprio poder, e se você não permite isso, toda a estratégia mental e psicológica montada perde o sentido pra elas.
-Sem sentido?! Sem sentido e sem SENTIR é esse jeito que os adultos vivem.
-Nem todos os adultos. Você não é assim. E pra falar a verdade, minha neta querida, só você não é assim. Mas eu te entendo e amo isso em você, essa preservação da simplicidade de criança. Só saiba que a maioria não sabe lidar com isso e vão te culpar por simplificar, vão inverter e tentar fazer com que você sinta-se culpada. Afinal, você está parando o jogo delas e elas só sabem jogar.
-E o que eu faço? Não sei jogar.
-Não jogue. Essa é sua maior riqueza! Mas esteja preparada. É como se você entrasse no meio de uma briga oferecendo abraço; vão te empurrar, você pode se machucar. Manter-se firme por dentro pode custar uns tombos, umas lágrimas, mas vai valer à pena. Deve ter algum outro maluco que não tenha sido contaminado. Deve ter...


sábado, 14 de janeiro de 2017

Aceite.

Comigo funciona assim: 
Me trate bem que irei lhe tratar melhor. 
Me trate mal, e continuarei lhe tratando bem. 
Porque quem determina minha atitude não é você, é quem eu sou. 
Não estranhe. 
Aceite. 
É amor gratuito. É dom de Deus.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

"Ah mas..."

Quem não ouviu Deus nunca entenderá quando te vir construindo a arca. 
(Sim, Deus fala!) 
Vão te chamar de maluco ou coisa parecida. Não os condene, afinal, Deus falou foi com você. É a voz Dele que gera Fé em nós. Ame-os. 
E continue construindo, a chuva virá, mesmo que nunca tenha acontecido algo parecido. (estou citando a história de Noé, pra quem não sabe) 
Deus não tem formas pré-estabelecidas. Com cada um ELE age de um jeito, porque cada um é de um jeito. Não tente adivinhar os caminhos de Deus. Apenas confie. 
"Ah, mas com fulano foi assim" (com Paulo foi de um jeito, com Pedro de outro...) 
"Ah, mas Deus não interfere nisso" (Com Jonas, ELE interferiu) 
"Ah, mas é impossível..." (do impossível Abraão se tornou o pai de muitas nações) 

No relacionamento com Deus não cabe "Ah mas..."
Ou cremos ou não. É pela Fé. E não existe "meia fé". O "como" não nos pertence. 
Ele não segue nossos padrões, nossa lógica...
Paremos de limitar Deus. Saibamos ouvir Deus. 
Tape os ouvidos para sua própria alma (que quer respostas), para as pessoas, para o mundo... 
Ouça o Espírito Santo dentro de você e seja guiado por Ele. 

Obs: algumas pessoas me perguntam Como Ouvir Deus... Falarei num próximo post. 

Beijos 
Com Amor...

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Num baile de máscaras não dá pra ter intimidade.

Estava pensando aqui em o quanto tenho bons amigos e como eles têm raízes profundas em mim, e vice-versa. E como sou grata por isso! 
Amigos há mais de 20 anos, a maioria... E sabe por que? 
Porque nunca fui de focar nos erros -e pelo visto, eles também não! Ainda bem! 
Encaro os "defeitos" como limitações, e todos nós temos as nossas limitações. 
Erram? Sim! Assim como eu. Mas "o amor cobre multidão de pecados". 

Nessa geração onde tudo é descartável, ouse ser permanente. Ouse ficar, fixar raízes em pessoas e não em lugares. 
Todos nós temos nossos momentos de imaturidade, nossas ações equivocadas. 
Não julguemos as pessoas por "um momento". 
Não deixe que uma discordância jogue fora uma amizade. 
Não deixe que uma limitação desqualifique as virtudes. 
Aceite a "humanidade" do outro, a sua. 
Num mundo "fast-food" até em relacionamentos (independente do grau), ouse criar vínculos, se expor e permitir que o outro se exponha. 
Sempre ouvi : "sou tão livre com você, tão eu". E há liberdade quando há certeza de amor e aceitação. Incentive a liberdade, a autenticidade. 
Num baile de máscaras não dá pra ter intimidade.

A água mexe pra te purificar.

Às vezes, Deus permite que a gente passe por algumas situações para que venha à luz coisas que até então estavam desconhecidas até pra nós. Coisas de nossa alma. 
Mas Ele não faz isso para nos expor, nos envergonhar. Ele faz isso por amor, pois quer nos ver inteiros. 
Ele mostra a ferida para que seja tratada e devidamente curada. Ele mostra a corrente para que haja libertação. 
Há coisas em nós que só descobrimos quando somos expostos a determinadas situações. 
Você só sabe que tem medo de altura quando alguém te pede para subir uma escada e seu coração acelera por isso. 
Você só sabe que ainda tem medo de amar quando aparece alguém que mexe com você e, justamente por isso, você foge. 
Você só sabe o nível de fragilidade de uma relação quando é exposta a dúvida, incerteza, insegurança. Falo, inclusive, da relação com Deus. Sabemos de nosso nível de confiança Nele quando ELE vira e diz: "PISA NO MAR, ELE VAI SE ABRIR". Você pisa ou não? 
Nossa confiança em Deus está firmada em quê? Em filosofias, teorias, circunstâncias ...? 

No caminhar com Deus é como se fôssemos uma piscina aparentemente limpa. De repente, ELE começa a mexer a água, para que aquela sujeira suba, seja exposta, para então ELE nos limpar. Assim nos tornamos mais saudáveis, mais limpos e mais capazes de refleti-lo com mais clareza. 
Pense nisso. Quando as águas dentro de você começarem a mexer, fique atento e permita-se ser purificado. Não fique com raiva de você, dos outros ou de Deus. Muitas vezes, Deus usa os outros (pessoas que amamos) para que essa sujeira apareça. 
O processo de limpeza exige coragem para nos enfrentarmos. Tenha coragem.  

Beijos 
Com Amor...

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Não dá pra ficar no meio do caminho.



Não dá pra ficar no meio do caminho. 
A indecisão já é uma decisão. 
Radical? Não. Real. 
A vida que Deus nos propõe é íntegra, inteira. "Seja quente ou frio". 
Se já entendemos e recebemos a identidade de filhos do Rei, comportemos como tal em qualquer lugar. Você não abandona seu DNA de acordo com o lugar que está ou de acordo com as pessoas que estão por perto. 
Assumamos UMA identidade e vivamos! Autenticidade!  
Isso não tem nada a ver com religião ou igreja. Tem gente dentro de igreja que não expressa Deus. Isso tem a ver com fazer a vontade Dele. Ser boca Dele, olhar com os olhos Dele, ... (Mateus 12:50). Paremos de tapar o Sol com a peneira. 
"Até quando coxiareis entre dois pensamentos? Se o SENHOR é Deus, segui-O; se é Baal, segui-o. " (1 Reis17:21)
Quanto mais nos aproximamos de Jesus, mais Ele vai sendo formado em nós. 
Não, você não tem que ser santo pra andar com Ele. Porém, você precisa DECIDIR ANDAR COM ELE. E no caminhar, na intimidade, no relacionamento Ele vai sendo construído em nós, e muitas coisas passam a não ser mais parte de nossa realidade. 
 "Não por força, nem por poder, mas pelo Meu Espírito". 
Mas...PRECISAMOS ESCOLHER QUAL SERÁ NOSSA CONEXÃO, como na imagem acima: Deus ou o mundo. 


Obs: JAMAIS CONFUNDA DEUS COM REGRAS RELIGIOSAS. 

Beijos 
Com Amor..

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Das conversas sem máscaras...

Depois de dois anos, voltaram a se falar.

- Estava com saudade de você. Adoro esse seu jeito! Você é única, espontânea, verdadeira...
- E me lasco por conta disso, ne?! ahahahaha
- Faz parte. A maioria não sabe lidar com verdades.
- Você, por exemplo, ne?! Por que sumiu?
- Porque é impossível não se apaixonar por você. E eu estava 'concretamente' apaixonado.
- Ué, e some? Deveria ter ficado, não? Você teve a opção de ir mais fundo ou desaparecer. Preferiu desaparecer...
- Dá medo. Aquela emoção toda, eu não sabia como lidar...E eu tinha certeza que você iria me ajudar, iria simplificar, porque você é assim, você simplifica e isso assusta mais ainda! [...] Fiquei perdido pela primeira vez!
- E preferiu fugir do que se enfrentar. Preferiu entrar numa relação morna, onde você tem controle da situação do que mergulhar em algo profundo e ser vulnerável... Homens...preferem o razoável...
- Zona de conforto.
- Mas você é tão ousado e corajoso pra tanta coisa! Zona de conforto na área mais massa da vida?!
- Você sempre conseguiu me enxergar de verdade. Perto de você nunca consegui me controlar.
- Mas controlar pra quê? Armadura pra quê? Não é no "mais da vida" que está a graça ? Você parece uma pessoa tão intensa, tão determinada, mas no quesito coração vai ficar no raso brincando de jogar água pra cima ao invés de mergulhar?



terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Novos níveis exigem um pouco mais.

Há, aproximadamente, 1 mês, entrei numa nova batalha. 
Talvez você não entenda, mas vou tentar explicar. 
[Me exponho para que NOS sirva de lição.] 

Nunca gostei da zona de conforto, seja no intelecto, na alma ou no espírito. E como intensifiquei ainda mais meu relacionamento com Deus, as raízes foram ficando mais profundas, alcançando áreas que eram ainda "escuras" (desconhecidas) em mim e para mim. 
Nunca tive problemas em ceder, sempre fui uma pessoa de fácil convivência (quem já morou comigo sabe disso). E podia "jurar" que eu não tinha problema nenhum em "matar minha carne", até que...
Até que me deparei comigo num lugar mais profundo. 
Encontrei alguém num bom nível emocional e espiritual também, alguém equivalente que me confrontou sem querer. E esse alguém reagiu de uma forma que eu não esperava. Me senti cega e sem chão. 
Consegue imaginar isso? Cega e sem chão... 
Naquele momento, aquela área lá no fundo até então desconhecida pra mim, sacudiu e exigiu de mim um maior grau de "mortificação". 
No calor da emoção eu não consegui. Parecia que tinha DUAS de mim guerreando aqui dentro. E tinha! Era minha alma e meu espírito. 
Minha alma - emoções, e que precisam ser conquistadas, tratadas- não queriam se submeter ao meu espírito - que já está pronto e é guiado por Deus. 
Passados alguns dias, tudo se acalmou. Me rendi. E de repente, tudo rompeu! Entrei numa nova fase, não melhor que você, mas melhor do que eu era. E não por mérito, e sim, pela Graça de Deus. Meu único esforço foi "me render".
Entendi também que quanto mais profundo mergulhamos em Deus, maior é a entrega e "a mortificação". 
E Deus usa as circunstâncias para sacudir tudo e para enxergarmos o que está fora do lugar, o que precisa ser firmado...Enfim... 
Se valeu a pena? Ahhhh valeu, vale e sempre valerá! 
As lutas aumentam? Sim. O povo te acha maluco? Sim também! Mas, a minha parte é até fácil, e teria sido bem mais fácil se eu tivesse me rendido mais facilmente. Porque a batalha mesmo é de Deus, eu só preciso entregar as "rédeas" à Ele. 

Quero incentiva-lo a mergulhar mais fundo num RELACIONAMENTO com Cristo. 
Sempre tem mais, independente do nível de intimidade que você tenha com ELE. Tem mais! 
E é Nele que alcançamos a vida plena. 

Obs: Talvez ESSE texto não fique tão claro para alguns, mas era impossível eu usar outros termos para me expressar.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Duas visões. Duas versões. Qual é a verdadeira?

Amizade boa é aquela que as verdades são expostas, os medos são enfrentados, não há disfarces.
E assim era a amizade delas. 

-Terminamos. Não dava pra mim. Ele estava me sufocando.
-Como assim? Eu o conheço muito bem! Ele não é de sufocar, é equilibrado.
-Ah! Ele ficava querendo fazer minhas vontades, me tratava bem demais...
-Oi?! Isso é ruim?
-Ah! Ele não sabe o jogo da conquista?
-JOGO? É, realmente ele não joga. Ele é honesto, mas isso é uma virtude e não defeito.
-Ah, mas parecia que eu não precisava fazer nada para conquista-lo... Ele gostava de mim de uma forma tão gratuita...
-Você não se acha merecedora?
-Claro que me acho!
-Sério? Então por que alguém que cuida bem de você te afronta?
-Não é isso! Ele estava me sufocando! Ele não tem maturidade emocional, não sabe quem ele é... E ele é um cara e tanto sim!
-"Me sufocando"... Frase feita. Todo mundo usa ela.[...] Mas, aprofunde um pouco mais. Sabe, de fato, há pessoas que nos sufocam. Mas há pessoas que nos obrigam a tomar uma atitude mesmo que elas não façam nada. E isso não é sufocar. Não era ele quem estava te sufocando, era você mesma, pois sabia que algum passo precisava ser dado; era a circunstância que estava te obrigando se enfrentar.  Era porque ele mexia com você demais e não dava pra você leva-lo "empurrando com a barriga" por muito tempo. Você sabia que com ele não ia ter como fugir. Ou você se enfrentava e "perdia o controle" da situação, se permitindo amar. Ou teria que parar ali. Você sabia que só existia UMA saída para a relação de vocês, mas seu medo falou mais alto e você começou a inverter as coisas, inventar defeitos...Olhar para as falhas com lente de aumento e ignorar as qualidades. [...] Desculpe, amiga, por mais que você me diga que ele não tem maturidade emocional, que ele não saiba quem ele é... Eu acho que ele sabe, sim, quem é, tanto é que não se propõe jogar. Acho que é você quem ainda está ferida e com medo do amor, devido ao seu passado. Eu sei do que estou falando! Já passei por isso e assumo. Eu sei reconhecer esse caminho, esses sintomas... Mas tudo bem, se você se sente melhor com "sua versão", tá tudo bem. Uma hora você vai enxergar. É preciso tempo, e eu respeito o seu.
- Não! Você está viajando...
- Ok. Tá tudo bem...