Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Mais um passo.


Estávamos assistindo a um filme no quarto, abraçados.
Luz apagada, pote de sorvete ao lado, risadas e muita concentração.
Ele? Apenas um amigo. Bom, pelo menos é o que se diz quando não há envolvimento físico.
[Pois é, é o físico que determina certas nomenclaturas.]
Sabe que eu estava com saudade desses momentos.
Vez ou outra eu percebia ele me olhando, mas eu continuava com os olhos fixos na TV.
Depois era minha vez, eu o assistia sem perceber e quando ele se virava eu tentava disfarçar.
Estava tudo tão conversado entre nós que não cabia nó. E assim fingíamos naturalidade com aquela situação toda.
O filme acabou e quando eu ia me levantar - pra desfazer aquele clima de 'não sei o quê' - ele me parou e me puxou pra mais perto. Minha respiração alterou e eu tentava controlá-la (controlar-me), afinal ele sempre disse que não queria nada.
Ficamos deitados, um de frente para o outro, com uma palavra de distância.
A mão dele veio no meu quadril e me puxou mais um pouco. Eu tive um medo absurdo de me perder ali!
Ele, sensível como é, percebendo, passou a mão no meu rosto pra me acalmar.
-Posso?_perguntou ele.
E antes que eu pudesse responder, me beijou suavemente. E o beijo foi ganhando intimidade e força.
Foi apenas um beijo. Ok, algunsssssss.
No dia seguinte, fomos à praia, como de costume. Mas dessa vez, quando o entardecer pedia mais um pouco de amor e entrega, pudemos corresponder àquele momento mágico.
Estava tudo tão bom, tão completo!!!!
De repente, ouvi um barulho distante que me distraiu. Procurei e não achei.
O barulho persistiu. Acordei. Era o despertador.
Foi um sonho tão real que mal pude acreditar que ele estava tão longe.
Tudo que eu queria era dormir de novo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário