Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Claridades de Clara.




Tão acostumada a ser amada que estranhava ações "frias".

-Por que me trata assim?
-Assim como?
-Parece frio, distante. 
-Não fale assim, esse termo "frio" tem uma má conotação.
-Ok. Perdão, mas sua ação é que sugere... 
-Não é frieza. Te trato normal. Trato todo mundo da mesma forma.
-Então! Esse é o problema. 
-Problema?
-Sim. Porque somos todos diferentes. Cada um tem um jeito único. Se você trata todo mundo igual, você nos faz coletivo. Faz da singularidade algo inútil, nos "massifica". E Deus nos fez tão diferentes! Você agir assim me parece que ignora os detalhes da criação, e eu sei que não ignora, mas parece.
-Desculpe, mas não era essa minha intenção.
-Tudo bem, eu sei que não, por isso estou te dando um "feedback". [...] Olha, você pode tratar todo mundo bem, mas não todo mundo da mesma forma. Por exemplo, eu te trato bem, mas não é do mesmo jeito que trato outra pessoa. Com você tenho outro grau de identificação, de intimidade física, emocional e espiritual, ... Se você trata todo mundo igual você exclui a maior riqueza do ser humano: nossa singularidade, nossa profundidade...
-É, talvez você esteja certa. TALVEZ.
Clara apenas sorriu porque ela sabia que ele não assumiria seu "erro" assim tão prontamente, assim como ela também sabia que ele poderia simplesmente dizer : "não, não é erro. É apenas MINHA singularidade".
E talvez ele estivesse certo. Talvez.
Mas será que tudo pode mesmo ser relativizado assim?
Se tudo pode ser relativizado, quando vamos assumir erros, ações precipitadas e mudar?
Se tudo é aceitável, quando iremos melhorar, amadurecer, crescer ?




sábado, 24 de outubro de 2015

Novos sapatos.



Às vezes, passamos por situações que nos privam completamente de tudo, e é nesse momento de privação que nosso interior se aflora, se expressa.
É no momento de deserto, onde estamos sozinhos, isolados de qualquer conforto externo, longe de pessoas que nos amam...é nesse momento que vemos se nossas raízes estão firmes ou não. É nesse momento que percebemos nossa fragilidade, e também descobrimos nossa força por trás de tanto choro. É nesse momento que vemos nossas
debilidades, vemos o quanto ainda precisamos aprender.
São momentos necessários, fazem parte do processo de amadurecimento pra quem busca sabedoria.
[Pra quem não busca crescimento, os momentos se tornam apenas dores inúteis].
Falando de forma pessoal, nesse momento, vi a fé que parecia tão forte "querendo" fraquejar mas, ao mesmo tempo, percebi que ela está com raízes profundas (não tanto quanto eu gostaria, mas mais do que eu imaginava) ; vi minhas crenças pessoais sendo questionadas; determinadas posturas que tive por anos sendo colocadas contra a parede.
Tudo parecia funcionar tão bem! E realmente, funcionava! Mas funcionava para aquele tempo, para aquela idade emocional e espiritual.
Nossas atitudes, assim como sapatos, quando crescemos não servem mais. E dói ter que jogar fora aquele sapato que foi útil durante tanto tempo. A gente se apega facilmente, e chama algumas coisas, erroneamente, de "meu jeito".
Mas "meu jeito", às vezes, precisa mudar.
Não estou falando de perder a essência, estou falando exatamente do contrário: guardar a pureza da essência. E para guardá-la no percorrer da caminhada, como as adversidades mudam, nossas "armas" precisam mudar também.
A gente se protege do vento dentro da caverna, mas quando vem o frio precisa do fogo.
De repente, fogo vem e se alastra e a gente precisa da água para apagá-lo. E o fogo apaga, vem uma chuva forte e inunda tudo. A caverna não resolve, o fogo muito menos, é preciso um barco.
Assim somos nós. Para cada passo novo, pra cada degrau mais alto, um novo "sapato", um novo recurso.
O pé continua sendo seu (a essência continua sendo sua) mas agora com nova roupagem. Mas falo de nova "roupagem" e não uma armadura que nos blinda de tudo e todos. E saber manter esse equilíbrio, discernir roupa de armadura é o desafio.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Saia da margem.

Olha-se tanto pra si mas não olha-se pra dentro.
Estão tão atarefadas com seu próprio benefício que nem percebem que quando somos importantes pra alguém e fazemos alguém feliz - com um "Oi" que seja - somos mais felizes.
Às vezes somos cordiais com quem está longe, ajudamos e tal, mas negligenciamos quem está ao lado.
Claro, podemos e devemos ser felizes com nossa própria companhia mas jamais cair no abismo de ficarmos "ensimesmados".
A imprevisibilidade anda tão previsível.
É tanto remédio contra os sintomas mas nenhum contra a causa.
Estou me sentindo de determinado modo? Faço mil coisas, encho meu dia de tarefas, compromissos, ao invés de buscar a origem do "sentimento" e tratá-la juntamente com Deus.
Tanto conhecimento técnico, científico, cultural, e quase sempre muito bem aplicados quando aconselhamos amigos, mas quando é em nós...
Essa incoerência me tortura! E o fato de eu tentar se coerente assusta alguns.
É tanto "conte comigo" falado, mas na hora da prática...são tantas ausências.
É tanto altruísmo discursado e egoísmo praticado.
É tanta "ajuda" em forma de mercado, companhia em forma de tratado.
É muita "bondade" planejada: "te faço isso pra você ter uma boa impressão sobre mim, pra ganhar sua admiração. Eu preciso de pessoas me admirando...".
Claro, isso tudo é inconsciente. Mas o inconsciente pra você, às vezes, grita para o outro.
O obscuro pra você é claro pra o outro. Por isso, às vezes, é importante ouvirmos o que o outro tem a nos dizer. Ouvir com discernimento, pois pode ser verdade o que o outro vê, mas pode não ser.
Mas esse "ouvir" gera crescimento.
O envolvimento gera o desenvolvimento.
Se não nos envolvemos, não enfrentamos o medo e as demais coisas que nos assustam.
Se não nos envolvemos, vivemos na margem do rio ao invés de mergulharmos; vivemos "mais seguros" mas completamente aquém do que poderíamos viver.

Saia da margem, do discurso, da janela. Entre no rio, ouse praticar, enxergue-se. 

"Quem se isola, busca interesses egoístas, e se rebela contra a verdadeira sabedoria"_Pv 18:1.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Calma de Deus.


Não sei o que acontece mas diante do mar o silêncio me inunda.
Tudo para.
As perguntas cessam.
E uma enorme e completa reticência se estabelece.
Não há dúvidas.
Não há planos.
Não há nada.
Só Ele e eu.
Pra mim, o mar é a calma de Deus.
E a calma Dele me transborda.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Ser cristã e atriz.

Sempre me perguntam: "como é ser atriz e cristã? "
Ué, da mesma forma que ser qualquer outra coisa! Deus não muda por causa da profissão. O que muda é o julgamento do POVO.
O que me limita não é meu Pai (Deus), o que me causa certa agonia é o olho mau da maioria religiosa que assiste tudo quanto é coisa, mas se a atriz for cristã já julga. Isso que dá confundir RELACIONAMENTO com DEUS com religião! tsc tsc tsc...
Sou FILHA, essa é minha identidade, esse é meu DNA.
O dom vem do Alto, foi ELE quem me deu e colocou arte no lugar de meu sangue.
O grande "problema" de minha profissão é que me expõe mais; supostamente, fico mais sujeita ao julgamento das pessoas. Falei "problema" -entre aspas- porque, na verdade, isso não é problema meu. Busco ser guiada pelo Espírito Santo.
O que assusta as pessoas é que a arte não pode ser engaiolada, não cabe dentro da religião, e esse "não poder padronizar" desperta a ira dos encarcerados. A liberdade desajeita a organização.
Por favor, entenda. Acho que você tem maturidade pra entender o que digo e não ficar buscando entrelinhas.
Minha profissão não limita minha intimidade com o Pai. Mas meu amor por ELE pode limitar com relação a determinados personagens e histórias. Isso, sim, é complicado pra mim, pois meu perfil se encaixa em "determinados" personagens, e o fato de eu não aceitar "algum" me exige viver ainda mais pela Fé; afinal, vivo (financeiramente) do meu trabalho.
Minha bandeira é ELE, e não faria algo que O ofendesse.

Trazendo pra sua realidade... Você que é médico, só atende cristãos? Você só assiste filme cristão? Você que é administrador, a empresa que você trabalha é cristã? Você que é qualquer coisa...
Não é o lugar ou pra quem você trabalha, é quem você é Nele que importa.
Levante a bunda da cadeira e vá ser luz onde você está agora.
É disso que o mundo precisa: sal e luz.
É isso que precisamos ser: expressão do Amor Dele na Terra, e cada um é essa expressão dentro de sua vocação.

=)
Obs: sempre quis falar sobre isso. Tá aí! Beijosssssss