Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Desconfio que Liz seja menina-flor.


Liz, sempre foi sensível. Muito sensível.
Atenta aos detalhes, às expressões, aos subtextos, ao que não é dito.
O belo a tocava com muita força. Doçura, leveza, educação e cuidado deixavam-na alegre de uma forma incomum.
E detalhes imperceptíveis para os outros poderiam feri-la. Mas ela não se apegava a dor, embora a sentisse com pequenos gestos de "não-humanidade".
Alguns dizem que tamanha sensibilidade não sobrevive por muito tempo nesse mundo carrasco que as pessoas têm criado.
Acharam que com o passar dos anos ela endureceria, entraria na procissão cega guiada por desejos absurdos. Claro, motivos pra isso não lhe faltaram. Mas preferiu não SE trair, não trair sua essência.
Liz é como uma simples flor. É preciso sensibilidade para apreciá-la, é preciso gostar de poesia na vida pra decifrá-la. Às vezes desconfio de que ela seja uma menina-flor
É uma flor delicada mas de raízes fortes e profundas. Vem o vento, a chuva, o Sol quente, a seca, mas nada disso a transforma em outra coisa que não seja uma flor.
Como??? É verdade, as raízes precisam de água, precisam de um sustento, de terra boa. Então, como sobreviver depois de tantas estações e situações que se opõem a ela?
É que as raízes de Liz - a flor, a menina - estão firmadas no que é 'atemporal', estão firmadas em Deus, e ELE não muda, ELE está sempre VIVO e jorrando vida!
Um conselho de Liz: não perca sua essência por medo de não conseguir sobreviver; mude a "terra" em que você se firma. Firme-se, crie raízes em Cristo. Mas lembre-se, isso não te tira da tempestade, porém te sustenta durante todos os períodos. E quanto mais profunda for sua raiz Nele, mais sua própria essência se revela. Quanto mais Dele você extrai, mais sua identidade original é formada! Porque Nele fomos criados, Dele vem a matéria-prima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário