Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Vaidade do Orgulho.



O orgulho perguntou: -Você não tem medo do que as pessoas vão pensar ? Fica aí escrevendo coisas de amor, até parecem declarações de amor para alguém que só Deus sabe se existe...
-Medo? Por que eu teria medo?
-Porque as pessoas estão constantemente avaliando, julgando...
-Ah não... Não me importo com os julgamentos alheios. Cada um é limitado por seu próprio pensamento. O que a pessoa pensa sobre eu falar de amor denuncia muito mais ela do que a mim.
-Mas você não acha que precisa se apegar um pouco a mim para não ser tão envergonhada?!
-Me apegar a você, Orgulho?! Pra quê? Amor próprio sim, orgulho não, obrigada. Não seja tão vaidoso, Orgulho!
-As pessoas vão rir de você, te chamar de trouxa, boba, ... Vai ficar toda envergonhada ! Depois não diga que eu não avisei.
-Oh obrigada pela "preocupação", mas não tenho do que me envergonhar. Amar alguém não é vergonha. Expressar amor, muito menos! Vergonha é roubar do outro o direito de saber que é amado. Vergonha é matar dentro da gente esse sentimento por pura conveniência, medo, falta de coragem... Vergonha seria se eu estivesse noiva até hoje de um cara que eu gostava muito, mas que não tinha meu coração, não me fazia alterar a respiração. Vergonha eu sentia de mim mesma quando percebia que minha vida não podia ter uma pausa que me fizesse pensar, nem podia ter algum contato com quem eu amava que lá estava meu coração denunciando minha covardia. Vergonha eu sentiria se eu tivesse levado isso adiante porque já tinha ido longe demais. Vergonha eu sentiria se eu tivesse preguiça de começar de novo com quem eu REALMENTE amava porque meu noivo (na época) já estava ali, tão amável, disponível... Vergonha eu sentiria se continuasse sendo omissa comigo mesma, e continuasse com ele porque ELE me amava, e eu gostava muito.
Mas vergonha do amor? Vergonha é não aceitar o amor.
-Hum...não sei. Esse amor aí...
-Esse amor é o real. Não culpe o amor pelo o que as paixões, os desejos, o 'gostar' , os jogos de relacionamentos, as conveniências, o tesão, ou qualquer outra coisa tenha te causado. As pessoas usam essa palavra de forma leviana. Acredite em mim, Orgulho, se por ser ferido UMA vez alguém deixou de "amar", não era amor. Amor não tem orgulho, tem consciência. Se não tem orgulho, dificilmente será ferido. Não limite o amor...

Nenhum comentário:

Postar um comentário