Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Prazer em te desconhecer.



Sempre tem aquele dia que você percebe que o mundo é cinza, sim, como te falavam. Você é que coloria com sua forma de enxergar.
Tem aquele dia que você é obrigada a dar razão para aquele seu ex-namorado que brigava porque você acreditava demais nas pessoas e achava justificativas para as malandragens alheias por não acreditar que alguém podia ser tão estúpido. É, ele estava certo.
Então você enxerga que seu outro ex, aquele que você jurava que era um cara bom, não passa de mais um egocêntrico, que gosta de ter mulheres aos seus pés, e que ao mesmo tempo que brincava com você galanteava mais outras.
Eu sei, não é nada fácil ver que estava errada, e o pior, o fato de você estar errada te fazia a pessoa mais idiota do mundo, e só porque você acreditava. E dizia: "não, ele não é assim. Ele gostava de mim, tá confuso...".
Não, minha jovem, minha desiludida jovem, ele só gosta de si. Talvez se ache tão bom que fique constrangido em dizer NÃO à outras mulheres, coitadas, vão ficar sem ele (hunpf).
E pensar que você contribuiu com isso! Porque você o amava independente de tudo (eu sei, esse é o amor verdadeiro), mas ele não entendia isso e via seu amor como "mais uma aos pés dele".
Claro, ele jamais vai confessar isso.
Então pela primeira vez você sente vontade de não ter conhecido alguém, até porque a pessoa com quem você se relacionou foi pura invenção de sua linda mania de enxergar bondade onde não existe. 
Esse que hoje existe, e não sabe entender carinho sem achar que isso é AMOR DESESPERADO, você desconhece.
Sim, você o considerou por um bom tempo porque acreditava que ele, assim como a maioria civilizada, podia ser um bom amigo mesmo com o fim do romance.
Você o considerou porque acreditou que ele era sincero, quando agia na espontaneidade. Mas depois ele negava sua naturalidade e de atitude pensada agia como mais um entre tantos.
Você o considerou porque acreditou que quando ele te procurou achando que você estava se casando, ele podia ter algo pra falar ou fazer. Mas ele nada fez, nem falou. Mais uma vez se calou.
Você o considerou porque acreditou nas belas palavras dele. Aliás, lembra da frase de seu amigo "é fácil demais te enganar, nega, porque você já quer acreditar na bondade do outro" ?!
Você o considerou porque simplesmente ACREDITOU.
Quando a gente conhece alguém que vale à pena a gente diz : "é um prazer te conhecer". A gente diz isso quando a pessoa nos agrega, nos considera, nos cuida, nos desperta, nos ama de alguma forma, nos alegra, nos ensina...sei lá...
Mas quando a gente vive tudo isso baseando-se numa mentira...Quando a verdade se mostra e o cara te trata como se não te conhecesse, a melhor maneira de se expressar é apagá-lo de sua história e dizer: É UM PRAZER TE DESCONHECER.

E pra ser sincera, nada mais prazeroso do que desconhecer alguém que sequer existiu. A realidade agradece.


Se fiquei cética? Não. Talvez um pouco mais esperta como tanto queriam.
Continuo acreditando no melhor de cada um. Só parei de inventar "o melhor" que não existe.
A invenção, criação deixo pra minha arte e pra minha Fé. Porque pela fé, eu sei, que esse "melhor" inexistente pode existir. Mas enquanto a Fé não age, minha mente viaja, meu coração sonha mas meus olhos ficam abertos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário