Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

sábado, 21 de junho de 2014

Não quero inventar mais ninguém.


Odeio seu jeito que tanto se parece com ele.
É estranho porque, ao mesmo tempo, amo!
Mas é que quando se parece muito, ele entra no foco novamente e eu sinto a dor de novo.
A dor do amor que nunca acaba. A dor da lembrança que não apaga.
A dor do abraço envolvente que não envolve mais.
A dor do encaixe perfeito que não encaixa mais.
A dor da música que falava e hoje não posso escutar mais.

Eu queria que apenas VOCÊ, meu presente, ficasse mas as memórias insistem em fazer ELE existir.
Eu queria que ele fosse apenas sombra, apenas um capítulo carinhoso de minha história, mas capítulo que termina em reticência no coração da gente sempre quer voltar a ser o clímax.
Não que ele queira. Nunca quis (ou já quis?!). Meu coração que me trai. Minha mente que não consegue mentir, fugir ...Ser de Verdade não é tão fácil, e de superficialidades ou disfarces não consigo ser.

Então me apego as diferenças, sua perseverança, sua "não-desistência" faça chuva ou faça sol.
Me apego às diferenças mesmo que tenha sido sua semelhança com ele que tenha me atraído no início.
Sabe, eu fiquei tão feliz quando você disse que mudaria de país pra ficar ao meu lado, se fosse preciso. Nisso eu vi o quanto é diferente, apesar de toda semelhança. Mais corajoso. Mais crente no amor. Menos calculista.
Mas confesso que também fiquei com medo de você mudar sua vida por mim. Falo "também" porque já  estive do outro lado, já quis mudar de cidade por alguém e ele teve medo e não permitiu por egoísmo, mesmo dizendo que estava pensando em mim. Não era. É que parece muita responsabilidade. Parece.
Mas hoje  entendo que essa mudança, esse passo não é simplesmente por mim. É por vc, é por amor a você, por respeitar o que sente.
E se não der certo? Deu. Sempre dá.
Ao menos TENTAMOS. Te dei a opção de lutar pelo que sente, nos demos a oportunidade de VIVER ao invés de simplesmente ignorar mais um presente da vida.

E sobre você se parecer com ele... Ahhh quem nunca procurou (inconscientemente) alguém semelhante ao que lhe despertou amor?  Há ainda os que projetam as semelhanças, inventam as qualidades e abraçam o imaginário e fogem de qualquer contato com a verdade (fogem de qualquer contato com a origem dos sentimentos).

Entao, aceite minha verdade. Despiste minhas crises de amor e ódio. Não fique com ciúmes dele, ele nem sabe de mim. Às vezes penso que ele nem existe. O inventei.
Me mostre que é de verdade também. Não quero inventar mais ninguém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário