Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Adoção do amor.


"Você vai encontrar um cara bom."
Quando eu ouvi você dizendo isso me segurei pra não responder, porque ao mesmo tempo que você diz isso, você também disse há uns dias que não gostava de saber se eu estava ou não com alguém e tal. Preferi me calar e te deixar falar. É bom vê-lo seguro, contente (no sentido literal) e determinado em suas mudanças frutos do amadurecimento.
Acontece é que eu encontrei um cara bom, um cara incrível, capaz de coisas surpreendentes e muito seguro. E eu gosto de relacionamento assim, que não anda na corda bamba da insegurança. Prefiro a liberdade da confiança. Mas cada um sabe viver de um jeito.
Eu tenho a alma livre. Eu gosto é de vento no rosto, de cabelo bagunçado, gente que não tenha medo de ser sombra. Porque ninguém é sombra de ninguém, é só uma questão de posicionamento. Cada um tem sua grandeza, sua importância. Nenhuma mais nem menos que a outra. Grandezas e importâncias únicas!
Sim, eu faço mil e uma coisas, nasci com arte na veia no lugar do sangue, mas isso não me torna maior. Apenas sou eu.
Mas, voltando a frase que você me disse.. Eu queria ter te contado, eu estou noiva.
Esse era o motivo que eu tanto queria te ver. Era pra que você despedisse do amor que tanto guardei pra você. Do amor que nasceu de você, por você.
Sim, era seu. Você inspirou esse nascimento. A semente foi sua. O DNA é seu, era seu por direito. Mas diante de um direito renegado não há muito o que fazer.
Era esse o motivo de meu choro no dia anterior. Porque eu estava me despedindo também, e sinceramente, bate um medo desse amor não se encaixar perfeitamente nele e querer voltar pra você. Mas eu torço para que isso não aconteça.
Eu só queria que você o sentisse pela última vez. Eu só queria senti-lo (o amor) como na sua origem (onde foi gerado) pela última vez. E não, não queria beijá-lo ou qualquer coisa assim. Era só uma última olhada, era só uma visita do filho de pais separados.
Porque hoje estou te separando do amor.
Antes, pra mim, vocês eram um. Agora, estou te fazendo pari-lo e colocá-lo para adoção.
E tomara que seja como dizem, pai é quem cria e não quem gera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário