Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Rasgue esse véu!

"Há maior número de pessoas dispostas a se afastar do pecador do que dispostas a se afastarem do pecado." (D. L. Moody)
Santa hipocrisia, Batman! Se fôssemos mais parecidos com Cristo, nos afastaríamos do pecado e atrairíamos os pecadores.
(lembrando que todos nós somos pecadores, mas....enfim, vcs são inteligentes, me entenderam).
A questão é que a maioria tem medo de si. Fingem ser o que não são. E pior, fingem pra si. E acabam vivendo uma vida paralela.
Outro dia uma pessoa que muito amo escreveu coisas sensatas e verdadeiras (e com muito amor).
Algumas pessoas irritadas com tal liberdade trataram de colocar suas "garrinhas" pra fora pra tentar manipular o que ela disse, para impedi-la de alertar os demais.
E sabe o que é pior?! Pessoas, "lideranças religiosas" que deveriam ser as primeiras a apoiar a verdade chamaram-na pra "esclarecer". E usaram termos até "sábios", disseram que o que ela disse foi desnecessário.
PELO AMOR.....!!!!!!!!!!!!!!!!!
Quando vão entender que a falsidade é que é desnecessária?
Os doentes têm que encarar suas doenças para que haja cura!
Fingir que não está acontecendo não cria uma outra realidade.
A não ser que a gente esteja falando de Fé, mas aí a história é outra.
A história da fé não é fingir que nada está acontecendo, mas ignorar o que está acontecendo (mesmo enxergando-a) e crer no que Deus disse.

Meus queridos, se querem viver na mentira...que vivam! Mas não contem comigo.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Por um mundo sem máscaras!



Tenho um apreço gigantesco por autenticidade. Ainda mais num mundo onde mostram-se constantemente felizes, sem problemas, sem questionamentos...num mundo mascarado, onde é proibido dizer a verdade.
Acham-na desnecessária. Desnecessário é o não-falar, não contar o que se passa, acham que só diz respeito a eles. Tolice!
Confesso, eu também já pensei assim ...no auge de minha meninice! Mas despertei! "Quem não se envolve, não se desenvolve". O envolvimento é necessário para o crescimento pessoal. Fechar-se numa redoma não te torna sábio, revela sua raiz de insegurança.

Mas calma, não que você tenha que sair falando tudo para todos. Fale verdades particulares com amor e para pessoas que tenham amor.
Eu gosto da transparência do que se pensa e não se pesa.
Sabe aquele 'falar o que sente sem medo de julgamentos'? Aquele "não fico com você agora porque estou inseguro"?(que aliás eu ouvi recentemente).
Já ouvi mulher dizendo: "não gosto de homem que chora". Eu não! Eu gosto (desde que seja VERDADE).
Verdades criam laços.
Eu gosto da leveza de ser quem é. Aí ninguém engana ninguém e, melhor, ninguém SE engana.
Porque o grande problema é que as pessoas enganam umas às outras porque acham isso natural, afinal SE enganam diariamente.  Agem assim sem perceber.


Quando escrevo sobre coisas tristes, desamores, desilusões, desencontros ou outros "des" não significa que eu seja pessimista. Pelo contrário.
Sou otimista. Até demais!
Sou muito de bem com a vida, obrigada! E não tenho necessidade de ficar provando nada pra ninguém.
Eu sorrio para o mundo porque gosto e sou assim.
Sou feliz e ainda assim quero mais!
Gosto do "mais" da vida. Mas também sei ver o "menos". E é pra esse momento que chamo sua atenção.
Os momentos eufóricos expressam-se sozinhos.
Nos momentos de alegria a gente grita, expõe, VIVE. E isso é ótimo!
Mas é preciso expor também a dor
Não pra todos, claro. Mas pra si pelo menos (no começo).
Exponho pra mostrar que somos humanos, que temos fragilidades e que isso não nos torna piores, medíocres ou menores.
Momentos de incerteza, de tristeza, de insegurança...todos temos. O que nos difere é o que fazemos diante deles.
Não falo de mim, falo de nós. Falo de nossa pluralidade. Falo de situações comuns mas não concluo-as.
Eu conto a tempestade e não o acalmar das águas, muitas vezes.
O "fechar da história" cada um faz o seu. 

Agora sou Música!


Ser sonho de alguém já não me ilude.
Ser o que o cara sempre quis me afronta. Perfeita eu nunca fui!
Ser meta não mexe com meu ego.
Ego...meu ego está no lugar que deve estar (submetido a Deus).
Estou  bem, obrigada. Mas meu ego não me guia.
Não quero ser fantasia, quero ser realidade.
Esse era meu discurso até pouco tempo atrás.
Até que chegou o cara cheio de coragem, cheio de ousadia e identidade.
Puxou-me para perto. E pra mais perto.
É, isso é meio assustador.
Foi tanto tempo sendo "partitura" que já não sei ser música.
Mas eu aprendo. Ahh aprendo.

Desnecessário.


Não foi uma nem duas vezes. Foram várias.
Várias vezes tentei enxergar as coisas de outra forma, tendo-o como vilão.
Ampliei seus defeitos. Tentei te achar comum (algumas vezes até consegui). Me "re-lembro" das frases cortantes que já me disse ou da forma descuidada com que me tratou. As tantas vezes que me chamava como se fosse uma passante na rua "Oi moça! Ou! Menina...!" e por aí vai.
Sua última frase salta na memória: "cada um fantasia o que quer". Uma frase sem compaixão.
Como isso é desagradável e desnecessário!
Claro, eu vejo as cicatrizes. Umas construídas, outras reais. Sim, construídas, porque chega uma hora que você precisa se afastar da "cerca elétrica" pra não morrer, então você "se dá" um choque. Loucura? Talvez. Eu diria que foi SOBREVIVÊNCIA.
Eu sei, não é a forma mais saudável de sobreviver, mas foi a forma que encontrei. É aí que entra a segunda frase do texto: "tentei enxergar as coisas de outra forma, tendo-o como vilão".
Mas fique tranquilo, eu sei que não é real. É só um pretexto pra dizer não.

Te comparo ao meu Presente, e na comparação ele ganha. Ganha em algumas coisas naturais, mas NUMA característica ele se difere: ele ME quer e mais nada (sem contradições, sem justificativas, sem "mas").
Questiono a existência do amor.
Será que é a gente quem inventa? Será que é fantasia, escolha e um tanto de coisas que dizem?
Ou será que a maioria se propõe acreditar nisso por ser mais confortável, controlável...?
Sim, até acredito que o amor pode nascer de uma decisão. E estou decidindo isso por outra pessoa.
Mas e VOCÊ? Nunca decidi te amar! E como é isso?
Nunca te amei por decisão, porque quis...Não fico sem chão quando falo com você porque acho "emocionante", não!
Mas também não ache que por ser um amor recebido e nascido na curva do "de repente" não fico triste com suas ações de desamor, com suas friezas gratuitas. Com tanto entulho jogado em cima...uma hora o amor se esconde ou até morre sufocado.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Voe! Seja a mudança.



Posso falar?!
Tô nem aí, vou falar. A página é minha mesmo!ahahahahaha
É o seguinte:
Se você quer que as pessoas sejam mais dóceis, mais sinceras, mais educadas, mais humildes....tire o foco delas. SEJA VOCÊ assim.
Seja doce, sincero, educado, humilde...aprenda a servir.
É você quem determina como é tratado (com raras exceções, tipo aquele povo DOENTE).
Se reclama que seus "amigos" falam asneiras demais...ensine-os o outro caminho!
Tem muita gente que está na ignorância porque não há ninguém pra mostrar o outro lado.
Por que você? Ué, por que NÃO você?!
A questão é...se algo te incomoda, faça algo para que haja mudança.
E se mesmo assim, a pessoa não QUISER evoluir...Ame-a.
O amor não tem que ser condicional. Aliás, o amor mesmo (que o Pai nos ensina) não é condicional.

E outra coisa, às vezes as pessoas querem continuar na mediocridade, mas não permita que elas te segurem. Se querem ser...que sejam. Mas você é águia, VOE!

domingo, 19 de maio de 2013

Use o que lê para te ACORDAR.




Sempre se perguntam (quando não ME perguntam) pra quem escrevo ou por quem escrevo.
Querem saber se é ficção ou fatos.
As pessoas sempre querem saber.
Só não entendo porquê.

Eu falo que não vou dar explicações mas sempre acabo dando.
Escrevo o que acho que devo, escrevo o que muitas vezes não devo mas acho.
Acho em mim.
E o que se encontra em mim me pertence. Gosto de clarear meus pertences.
Escrevo o que enxergo, como enxergo. E outras vezes, escrevo justamente porque não enxergo.
Discorro sobre acontecimentos não acontecidos. 
Floreio ideias. Finalizo tristemente alguns contos.
Idealizo outros milhares.
Não busquem explicação na arte. 
A arte se explica por si só.
Óbvio, são tocantes porque têm como alicerce sentimentos reais, não camuflados.
Talvez por isso, essa curiosidade. Por causa da clareza e falta de máscaras.
Mas, um conselho, ao invés de aguçar sua curiosidade, use o que lê para SE LER, para se enxergar, pra se permitir ser honesto com você e com os outros.
Use a ousadia das letras que escrevo para SER também.

É engraçado.
As pessoas estão sempre querendo tolher nossa liberdade.
Até na escrita! Até na arte!
Isso não me incomoda tanto pra eu chegar a me calar ou atar minhas mãos.
Me incomoda saber que muitos não sabem o que fazer com o barulho do despertador tocando.
Porque escrevo pra despertar, te despertar, me despertar para a VERDADE.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Conversa transparente.

Depois de um tempinho eles se encontraram por acaso. Eram amigos...hoje.
Há muitos anos ele tinha sido uma paixão dela. Passou. Ele casou-se. A amizade ficou. E mais NADA!


-Oiiii! Que saudade! Você sumiu! Tá namorando?
-Oiii! Não, estava viajando, trabalhando...
-Mas, tá namorando? Porque sempre que vc está com alguém vc some da gente. Não quer nos apresentar...
-ahahahahahahahahaha...Eu não! Não sumo, mas claro, algumas mudanças precisam acontecer. E sim, eu estava com alguém...
-Você nunca chegou pra mim e disse que está NAMORANDO!
-Ué, porque aprendi com os tombos. Só falo que estou namorando depois de muito tempo.rs...E esses caras são malucos! Já falam em casamento!
-Claro, mulher como você não acha não! Era pra gente estar casado já!
Ela riu.
- É sério! Vc sabe disso! Ainda mais quando eles te conhecem de verdade, querem dar um jeito de segurar.
-Tá, mas tem que ir com mais calma. Eles me assustam!!! Preciso conhecer o cara direito, já me enganei demais!
Ele riu. E ela continuou: - Eu sei, geralmente homem que tem medo, né?! Mas é que casamento pra mim é coisa séria, é pra sempre. E também, acho que entendo os homens. Na verdade, a gente tem medo quando não há sentimento o suficiente.

-É e não é.rs.... Às vezes, mesmo tendo sentimento nós, homens, temos medo.  Não sei dizer o motivo certo, talvez porque no fundo todos nós sabemos a importância de um casamento na vida de alguém. É o início de uma nova vida, parece até que é o início da vida, de uma outra família... Mas, e esse cara com quem você está?
-Não sei se estou, já falei!rs...Mas, acho que vou dar uma chance. Ele é seguro, sabe o quer. Atravessa o país pra vir jantar comigo. É...pra variar, não é daqui. Mas ele não vê problema nisso, pelo contrário, ele soluciona e isso me traz conforto.
-É, mas por você eu também atravessaria. Não estou dando indiretas, eu sei que passou. E você me conhece também, sabe que não ia ficar te cantando.
-Relaxe, eu sei. Obrigada pelo cuidado de sempre, é bom ter pessoas na vida que permanecem, que a gente não precisa jogar fora porque foram más...


terça-feira, 14 de maio de 2013

Dá pra ser grande a dois!


Ela estava sentada na primeira fileira do teatro vendo um espetáculo protagonizado por ele.
Ela, Ana. Ele, Edu. Eles não se conheciam, AINDA.
Ele sugou toda a atenção dela, e ele, mesmo estando em cena, olhou-a.
No final da peça a confraternização. Abraços, cumprimentos, olhares. Tudo sob uma euforia própria desse momento.
Apesar de ele ser o "centro das atenções" naquela noite, Edu foi até Ana. Trocaram meia dúzia de palavras.
Ela foi embora sem dar muito papo. Mal sabia o que a aguardava.
Em poucos dias tornaram-se necessários um ao outro. Paixão.
Viveram dias intensos, mas que aos poucos foram se tornando esporádicos. Um ano assim.
Um ano de paixão, entrega e....INSEGURANÇA de Edu.
Não deram nome ao romance. Não chamaram de namoro.
Nunca brigavam. Ana não era dada a discussões ilógicas! Preferia constar os erros e resolvê-los.
Edu não sabia lidar com isso. Achava Ana perfeita demais! Procurava motivos para ele sentir-se melhor.
Insegurança tola de homem.
-Vc devia ter mandado esse cara pro inferno! Xingado! Cara folgado! _dizia Edu, em voz alta, enciumado com um cara do trabalho que nem tinha feito nada além de elogios.
-Mas Edu, por que eu faria isso?! Não sou dessas que saem brigando com o mundo! Me aceite assim...
-Não é possível que você seja perfeita assim!
-PERFEITA? Ahhh, por favor, poupe-me. Me tire desse pedestal! Tenho um monte de defeitos. Você não precisa me enfiar defeitos pra sentir-se melhor.
-Parece que eu não te mereço!
-Meu Deus! Me trate normalmente!
[...]
E a discussão continuou por alguns minutos até que Ana desistiu quando ele começou a alterar a voz. Ela não sabia gritar com ninguém e não admitia isso.
Retirou-se (do quarto e da vida dele).

Um tempo depois Ana conheceu Ricardo. Aliás, o re-conheceu. É, porque eles já se conheciam mais ou menos.
Ricardo parecia um cara seguro, diferente de todos os outros. Tratava Ana com naturalidade, fazia-a rir.
Suas conversas duravam horas e os momentos juntos eram incansáveis.
Ana era livre com ele, era ela mesma em tudo, não usava tantos filtros, não sentia-se vigiada.
Ric era lindo, inteligente, bem humorado...motivos de sobra pra sentir-se confortável com qualquer mulher, inclusive com ela.
Ana....Ahh, Ana não era assim de outro mundo! Era bonita sim e muito social (motivos suficientes para despertar insegurança nos caras JÁ inseguros.) Mas ao mesmo tempo que era social, era a pessoa mais correta que conseguia ser, jamais trairia a confiança de alguém. Pelo menos, ela tentava ser melhor a cada dia.
"Melhorar sempre" era seu lema. Não melhor que os outros, mas melhor do que ela mesma.

Ric ia bem, muito bem até que sentiu-se "menor" (claro, inconsciente). O relacionamento parecia ter sido escrito pra eles, o amor tinha sido criado neles.
Mas Ric, que estava acostumado a ser O MELHOR, não soube o que fazer quando viu alguém como ele.
Na visão dele, ela parecia muita coisa, parecia SE DAR MAIS que ele, parecia grande...
Maldita hora em que ele perdeu-se de vista!
E do nada, ele decidiu parar. Como se estivesse num filme, pegou o controle remoto e deu pause.

-Você é tudo que eu quero em alguém mas...
-Mas o quê?
-Mas você tem quem quiser! Por que eu?
-Por que não você, caramba?
O silêncio reinava. Nem ele sabia explicar sua insegurança, pois nem sabia que era inseguro.
Ele não sabia que podia ser grande mesmo tendo alguém grande ao lado.
Para ser o melhor não precisa ter alguém mediano. Mas explicar isso pra ele era complicado, pois ele não enxergaria. Não no ápice de sua crise interna!
Era preciso tempo. E pra dar tempo era preciso maturidade e paciência.
Ana até tinha paciência (muita paciência). Maturidade ela estava adquirindo. Mas o tempo parecia não ajudar.
Ric abandonou-a sem maiores explicações.
Ana lamentou. Mas sabia que precisava de um Homem ao lado e não um menino inseguro. Estava até disposta a ensiná-lo, a tranquilizá-lo. Assim como estava disposta a aprender com ele as milhares de coisas em que ele era ótimo. Mas não dava pra ser sozinha. É sempre necessário O OUTRO, o olhar do outro, a mão do outro, a exortação ou apoio do outro.
Relacionamentos são como dança de salão, não se dança sozinho. Dança-se com o outro e para o outro.

E Ana refletia:
-Homem, entenda, se a mulher está com você, é porque QUER e isso basta.
Você pode não ser o cara mais lindo ou rico do mundo...Ela está com você. Não questione isso.
Não coloque-a em pedestal. Pode sim, achá-la perfeita, mas perfeita pra você porque ela te escolheu. 
Ame-a. É só isso que ela quer.





Renata Marra - As Canções que você fez pra mim (Roberto Carlos)

domingo, 12 de maio de 2013

Um amor baseado nAquele que é Amor.


Tem gente que reclama de ter se apaixonado...Ahhh como eu queria ter me apaixonado!
Paixão é fácil de resolver. Se deu certo, bom proveito. Se não deu...calma, que o tempo resolve.
Paixão tem hora pra acabar, e é mais condicional. Uma decepção aqui, outra ali...pronto, ela começa a esfriar. 
Claro, ela pode se reacender, mas é bem mais fácil de lidar.
Como eu queria ter apenas me apaixonado! Eu teria apenas uma história pra contar.
Mas não! Não foi paixão, não é paixão. Foi o amor que despertou em mim. Fui agraciada com o sentimento que gira o mundo, que faz a arte girar, que é tema de músicas, filmes, danças...
Fui presenteada com o Amor puro (porque é esse que o Pai ensina...PURO). É bom, muito bom. Mas...
Mas o grande problema é que, se a pessoa não está ao seu lado, a gente a carrega dentro pro resto da vida. 
E eu o enxergo em cada momento, em cada lugar que vou...cada pessoa que TENTO, que beijo. Aliás, cada pessoa que beijo, percebo que não é ele e isso me atormenta.
Ainda não descobri o que fazer quando se ama alguém e esse alguém não está junto com você. Todo dia invento algo, tento um novo caminho, crio paixões...sei lá.
Porque amor, desse que falo, não acaba.
Amor não tem data de validade. Não acaba por mais que a gente se decepcione.

Tem gente que reclama porque se apaixonou. Não! Apaixone-se! É bom se apaixonar, sentir a vida....
Mas amar,... cuidado. Tenha cuidado pra quem vai entregar seu coração.
Não que o amor seja ruim, claro que não! Mas é comprometedor. É laço eterno.

Sabe, hoje filtro bem mais (mais ainda do que antes, se é que é possível).
Antigamente eu era sonhadora demais na forma de ver o amor. Queria alguém com tais características, alguém que me amasse, que fosse corajoso nas emoções e blablablá...
Hoje, antes de mais nada, quero alguém que deseje mergulhar num relacionamento íntimo com Deus comigo, alguém que esteja disposto a conhecê-LO cada vez mais.
Quero que me ame? Claro! Mas amá-LO é ainda mais importante.
Porque conhecendo-O, conhecendo aquele que É AMOR e convivendo com ELE se aprende todo o resto e o relacionamento fica firmando na rocha (naquele que é eterno) e não na areia (no que homens pensam).
E não falo de ser religioso. Ser religioso é saber sobre Deus.
Falo de ser cristão, ou seja, andar com ELE.

Comecei falando que amo e terminei falando dAquele que é Amor.
Porque é assim mesmo, o AMOR me consola por não ter o amado, e eu sei, ainda vai me ensinar muita coisa!



sábado, 11 de maio de 2013

Meu convite de hoje.

Sempre gostei de "dar nome aos bois", identificar, simplificar.
Mas hoje entendo que nem sempre dá.
Por mais simples que os sentimentos sejam, eles moram no ser humano. E o ser humano....é complicado, viu! Aliás, os ADULTOS são complicados.

Eu pensava assim: se fulano gosta dela, ele terá coragem  e lutará contra o que for pra ficarem juntos. Lutar inclusive contra si (seus medos, inseguranças, planos controlados...). Porque o Amor é um DE REPENTE.
Não, isso não é resquício de uma infância repleta de "conto de fadas".
Isso é a PERMANÊNCIA da simplicidade de uma criança que enxerga as coisas com ternura e clareza.
O adulto pensa usando os pesos errados, os valores invertidos e ainda acha que isso é vantagem (ou maturidade)!
Eu sei, a maioria é ferida demais. Uns foram traídos, outros abandonados, outros inseguros para lidarem com pessoas "resolvidas", e outros ainda controladores demais (do tempo e planos) para lidarem com pessoas "livres". E diante disso tudo deixam escapar o maior milagre da vida: o AMOR.
Falo por mim também, hoje me encontro reclusa. Mas sabe, é um tanto vergonhoso e medíocre deixarmos nossas fraquezas decidirem nossos caminhos.
Deixar o medo, a incerteza, a instabilidade decidir é suicídio, é se matar e viver sob domínio de uma sombra.
Para alguns, essa sombra é mais visível porque buscam a Luz.
Para outros, ela é camuflada demais nos afazeres e, como sabemos, sem a luz não enxergamos a sombra.

Meu convite é para que a gente caminhe para a luz (para a clareza das coisas), e mesmo que esteja no meio do processo a gente decida ser guiado pelo Amor, pela Fé.
Não, isso não é loucura! Loucura é ser guiado por eles...

Mais forte.


Ah se eu fosse um pouco mais forte...
Se eu tivesse ficado de pé, firme, ao te ver ao invés de desmoronar, desarmar....
Se eu tivesse um coração congelado que não se derretesse com qualquer carinho...talvez eu ainda estivesse de pé, não teria me deitado, não teria horizontalizado nossa relação, minha reação.

Se eu fosse menos crente, mais incrédula e tivesse te dito NÃO na primeira vez não precisaria sentir o chão hoje.
Não, não estou prostrada. Foi apenas um tombo. Um belo tombo aliás.

Mas tudo bem, não me condeno (um pouco, às vezes ).
Se você fosse um pouco mais forte...
Se você tivesse pulso firme e me puxasse para perto de você, ao invés de sentir-se inseguro com coisas banais...
Se você tivesse sido mais forte, hoje eu não estaria me lembrando de você. Estaria vivendo você.
Se você tivesse verticalizado nossa relação e colocado Deus junto de nós...
Eu tentei. Mas ninguém faz nada sozinho.

Hoje eu vi (de tempos em tempos eu vejo)
Eu vi sua malandragem e eu, uma moça que romantiza o mundo
Parece uma combinação perfeita para um golpe da vida.
Mas se antes não fui tão forte, hoje me descubro muito mais segura.
Aquela segurança que a gente tem quando não gosta tanto. Aquela segurança de "mandar ir embora e voltar mais tarde porque, no momento, estou cansada".
Porque quando a gente gosta demais não quer ficar longe e não diz "não", não se impõe.
E aprendi, mulher "boazinha" só se ferra.
É complicado lutar contra quem a gente é, mas quando é por uma questão de sobrevivência a gente aprende.
Não sei por quanto tempo isso vai durar. Essa reviravolta dentro de mim.
Provavelmente apenas um dia. Mas, um dia de embaraço desse mundo, um dia de entrar nesse jogo já bastam pra me mostrar que consigo ser mais forte do que imaginava.
Aí, amanhã...mesmo sendo tranquila, leve e de bem com a vida, saberei usar o peso da decisão, o peso do não; saberei que se tive força para me levantar depois do tombo, tenho força pra continuar.

E serei forte pra ver você sumindo de mim, de minha mente, de meus sonhos...
Serei forte para sufocar esse sentimento até que ele morra.
Parece drástico?
Você já me virou as costas faz tempo na segurança de que eu o assistia e esperava.
Olhe agora! Não estou mais lá.