Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Dia Internacional da Dança!


E vivaaaaaaaaaaaaa a gente que não deixa o corpo morrer, pelo contrário, dá a oportunidade dele falar!

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Arrisco? Há riscos?


Eu sei, parece confuso.
Mas é claro que eu me canso!
Quem não se cansa?
Aí nessas horas chega alguém com doçura e me amansa.

Chega alguém e me enxerga!
E tem medo de me perder porque, pra ele, eu sou a realização de um sonho.
E isso me quebra. Esse amor me desmonta. Me confronta!
Sim, ele tem alguns medos, fica medindo riscos.
Mas amor é risco!
"Arrisque!"- eu falo pra ele. Mas o meu próprio coração se esconde de medo. E eu falo como se gritasse pra mim mesma.
"Arrisco-me? De novo?" - pergunto-me.
"Quantas vezes for necessário!"- respondo-me.
"E se..."- começo a indagar e sou interrompida:  "E SE... nunca ganha guerra, não conjuga verbos, não tem ação nem vida."- o Pai me responde.

Sobre isso tudo que pulsa dentro de mim.



Todo esse amor que sinto...
Não, não sinto-me orgulhosa.
Mas também não tenho vergonha.
Sinto-me apenas corajosa por senti-lo.

 Se estou feliz?
Claro que não estou no meu ápice da felicidade.
 Mas percebo que sou íntegra. Inteira.
Inteira ao que sinto. Respeito isso.
Sou feliz por não camuflá-lo.

 Se será pra sempre assim?
Queria que não.
Mas o sempre não me pertence. E amor a gente não joga fora.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Compartilhei no "Face" mas achei q vale compartilhar aqui.

Reconhecimento. A gente sempre sabe quem nos quer bem...Mesmo que não optemos por sermos bem tratados e aceitemos relacionamentos que nos desgastam.....No fundo no fundo...a gente sabe. O amor SE identifica. https://www.facebook.com/photo.php?fbid=436999153060171&set=a.230310740395681.50517.111604802266276&type=1&theater

domingo, 21 de abril de 2013

Desejo por estar errada.

Tem gente que briga pra ter razão, para estar certa sempre.
Eu não!
Como eu queria estar errada em algumas coisas!
Não que eu esteja sempre certa, não passo nem perto. Mas como eu queria estar errada em algumas percepções!
Como eu queria estar errada no meu sexto sentido! 99,9% das vezes ele está certo.
Sabe, queria estar errada quando noto um olhar indiferente, quando vejo a injustiça.
Queria estar errada quando sinto-me enganada, burra, entre outras coisas. Sim, porque há momentos em que sou.
Queria estar errada quando vejo descaso, frieza, falta de educação...
Porque há pessoas que até parecem educadas e sensíveis, mas nossa percepção capta a essência e notamos que não são educadas apesar de falarem "por favor e obrigado", nem são sensíveis apesar de terem um discurso romântico sobre a vida.
Sabe, nesses casos eu sempre torço para que eu esteja errada! E aguardo até o último instante um comportamento que comprove o meu erro.
O problema é que muitas vezes essa prova não vem e eu, infelizmente, acabo estando certa. E isso me desanima, mina meu estímulo.
Estar certa às vezes é tão cruel.

sábado, 20 de abril de 2013

Urgência de amar.



Eu já cometi várias loucuras por amor.
Mas entre todas as loucuras a maior delas foi a de AMAR.
Amar nesse mundo é uma loucura. Mas a é loucura mais urgente e necessária que temos de cometer.

No meio desse estranho mundo, a gente pode encontrar Graça.


O Mundo é estranho.
Alguns segundos viram eternidade.
A gente ama sem razão e não deixa de amar mesmo tendo todos os motivos.
Pessoas que valem 1 milhão de coisas pra você, tem você como um zero a esquerda.
Parece injusto esse mundo. Talvez até seja.
Ou talvez em nossa pequenez a gente não compreenda tantos nós, tantos pontos que parecem desassociados. Tantas dores em vão. Tantos amores que se vão.

E a gente tem que aprender a driblar cada descontentamento. E ainda transformar os dribles em passos de dança.
Algumas vezes a gente não consegue driblar e cai. Machuca. Dói demais e parece que a gente não vai conseguir. Mas tem que prosseguir. E a gente se levanta, com as mãos doendo, com o coração sangrando...mas a gente se levanta. É preciso.
E algumas pessoas cruzam nosso caminho, nos assistem caminhar e pensam que somos perfeitos, nos julgam pelos nossos feitos. Mal sabem que cada tijolo nessa construção da vida, cada passo nessa estrada foi dado por necessidade de viver, por ânsia de sair do lugar mesmo com dor.

Eu não entendo um monte de coisas. Embora às vezes pareça que tenho conhecimento sobre o comportamento humano.
Conhecimento sobre comportamento eu até tenho, mas sobre o ser humano...é tão vasto, tão contraditório, tão absurdo!

Sei que esse mundo é estranho, uma incógnita pra mim. E o único que consegue resolver essa equação não nos dá muita explicação. Ou dá e a gente não entende.
O jeito é continuar. Confiar sem entender. Permanecer Nele, no amado...Deus.
Porque mesmo no meio de tanta estranheza, incerteza, falta de explicação...quando estamos Nele e COM ELE há paz. E com essa paz "que excede todo entendimento" a gente consegue olhar pra isso tudo e enxergar beleza e amor.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Revele-se.


Como disse Lao Tse: "A alma não tem segredo que o comportamento não revele".
O problema é que não percebemos. Estamos tão calejados que nos tornamos insensíveis. Olhamos tanto para nossas próprias feridas e ficamos lambendo-as, que não conseguimos traduzir os gestos alheios.
E quando olhamos para o outro, muitas vezes, nosso filtro está sujo e distorcemos.
Tudo pode ser visto, mas é preciso ter olhos. E olhos limpos!

Esconder-se de si pode parecer seguro, mas é uma vivência limitada. Não dar nomes, fugir de sentimentos que nos tiram o controle (de amores que nos roubam pensamentos) e ficar no confortável "tudo sob controle", ...dar as costas para os espelhos parece até uma ideia sensata. Parece. Eu diria que é uma atitude medrosa.
Eu sei, não é a coisa mais fácil do mundo encarar a realidade, entrar no degrau da maturidade. É preciso abandonar a mamadeira e ir fazer sua própria comida. Assumir responsabilidades, tomar as rédeas do destino.
É mais fácil, mais confortável continuar na meninice emocional.
Mas depois que enfrenta os "monstros" da infância, você se descobre filho do Altíssimo, filho de Deus.
E descobrir-se, DE VERDADE, filho do Rei e Criador do universo nos enche de coragem e autoridade.
Autoridade pra ser feliz, coragem para amar.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Sobre o amanhã.


Eu sei que muita gente que não falava, vai querer falar.
Muita gente que não aparecia, vai querer aparecer.
Muita gente que eu esperava, vai chegar.
Mas vão chegar tarde, aí a porta estará fechada. E não vai dar pra eles entrarem, não vou poder ouvi-los nem vê-los.
Não é maldade ou vingancinha. Não! Não me presto a esse tipo de coisa.
É só porque estarei ocupada amando quem sempre me amou, valorizando quem sempre me valorizou.
Claro, não vou ignorá-los, mas também "honra a quem MERECE honra".
Vou continuar amando e torcendo por cada um que, independente deles, foi especial pra mim. Mas o tempo é curto não dá mais pra jogá-lo fora.
Não tem mágoa ou coisa assim nas minhas palavras, é apenas uma realidade.
Com o tempo a gente aprende que dar murro em ponta de faca pode machucar e para de fazer isso.
A gente aprende que algumas pessoas querem estar com você apenas pela visibilidade.
Aprende que outras pessoas não queriam estar com você, não te valorizaram...te acharam boazinha demais e na cabeça deles "pessoas boazinhas podem esperar a vida inteira, elas não se cansam".
Mas o tempo passa, as coisas mudam. A gente muda. Não na essência, mas a gente muda na postura.
E quando o amanhã chegar muita gente vai falar, inventar, se aproveitar...
Mas não há mais o que se aproveitar de mim, não há mais nada que me tirar porque apenas o Céu me importa e essas coisas se tornam tão pequenas.
Não se mata quem já morreu. E tenho aprendido a morrer todos os dias. Matar meu orgulho, meus medos, inseguranças, vaidade...E ressuscitar no Amor do Pai  juntamente com Cristo.
Sim, essas poucas (mas importantes) pessoas que ignoraram o que quer que seja vão ressurgir e eu vou amá-las de longe (porque essa é minha essência), mas não vou aparecer pra elas. Porque é o novo chegando. O meu novo.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Surpresa boa.


Eu amo a forma como você me pega, puxa um pouco meu cabelo na nuca e olha pra mim...
Como você me chama de sua.
Eu amo como você se importa comigo
Como você tem orgulho de mim, de meu trabalho (mesmo te despertando um pouco de ciúmes).
Eu amo sua disposição em aprender a lidar com as diferenças, disposto a mudar sua rotina (se preciso for).
Eu amo quando você deita no meu colo e se esparrama.
Esparrama sua alma, fala de seus medos, conta suas histórias...expõe cada detalhe que se passa.
E ainda com toda paciência do mundo insiste para eu falar também porque sabe que, por mais que seja difícil pra mim, eu preciso.
Eu amo essa autenticidade e transparência correspondida.
Eu amo até quando você erra, mas logo se desculpa e conserta.
Eu amo como você tem roubado meus dias, invadido meus pensamentos...Como você tem me despertado depois de tanto tempo que passei indiferente a tantos!
Eu amo que você entenda meu Amor por Jesus, por Deus e ainda está pronto para mergulhar comigo num relacionamento mais íntimo com ELE.
Eu amo cada cuidado que você tem comigo, sempre atento com os mínimos detalhes.
Eu amo quando você me abraça forte parecendo me guardar...
Quando você me beija parecendo que o tempo vai acabar.
Ahhh....eu amo essa surpresa boa que é você!

quinta-feira, 11 de abril de 2013

If You Leave Me Now

Porque essa música é lindaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!
  "A love like ours is love that's hard to find how could we let it slip away? "

https://www.youtube.com/watch?v=OlKaVFqxERk

Traumas


Você percebe que tem um trauma quando, diante de um detalhe, seu chão parece desaparecer e aquele pequeno gesto te leva a encarar um fantasma não enfrentado. Porque na verdade não é o detalhe, é toda carga emocional que esse detalhe carrega.
Quando você tem uma reação diante do nada, observe, pode ser uma reação ao passado e não ao presente.
E uma reação sem ação parece absurda. Mas não é.
É como aquele ratinho de laboratório que de tanto tomar choque ao tentar pegar o alimento, deixa de tentar mesmo com o "choque desligado". Isso é perigoso para nós, porque podemos ficar desnutridos emocionalmente porque temos medo de pedir carinho e tomar choque.

Como eu não sou de fugir e procuro sempre estar atenta às minhas reações...Observo, analiso, volto a fita e...lá está ele...o trauma.
Diante dessas situações traumáticas é bem mais fácil fugir, mudar o rumo, jogar um tapete em cima da sujeira ao invés de limpá-la. É, mais fácil é mesmo. Mas EU acho desconfortável a mentira, a covardia. Prefiro enfrentar. Dói. E como dói!
A gente se vê chorando por NADA. Com medo de algo que a pessoa acha absurdo (pequeno demais). E é absurdo porque diante daquela história não faz sentido mesmo. Mas já fez muito sentido, aliás, foi sentido demais num passado "não muito remoto".
Sabe que eu acho que é isso que acontece algumas vezes. Quando um cara some do nada ou muda da água para o vinho. Acho que em algum momento você teve uma atitude que o fez sentir uma dor do passado e ele sem saber o que era aquilo, e por não querer senti-la novamente...fugiu. Claro, na maioria das vezes é inconsciente. E pior, na maioria das vezes as pessoas fogem, evitam falar, evitam passar por aquele trajeto.
Quantas e quantas vezes a gente pode ter perdido pessoas incríveis simplesmente porque tiveram uma atitude (até boa) mas que nos fez lembrar de um passado dolorido.
Eu tenho que enfrentar. Até porque as pessoas com quem me relaciono tem a "alma semelhante" e uma vez ou outra tem ações parecidas.
Traumas todo mundo tem. A questão é como a gente lida com eles.
Sabe, tratar uma ferida, enfrentar algo mesmo que pareça pequeno pode parecer besteira ou uma dor desnecessária. Mas não é. Enfrentar, curar a ferida nos leva à maturidade e a maturidade sempre nos eleva, nos leva num novo nível de relacionar, de viver...É uma libertação.
Se não consegue sozinha, peça ajuda ao Pai de Amor (Deus).
Confie em mim.


"O trauma psicológico é um tipo de dano emocional que ocorre como resultado de um algum acontecimento. Pressupõe uma experiencia de dor e sofrimento emocional ou físico. Como experiência dolorosa que é, o trauma acarreta uma exacerbação do medo, o que pode conduzir ao estresse, envolvendo mudanças físicas no cérebro e afetando o comportamento e o pensamento da pessoa, que fará de tudo para evitar reviver o evento que lhe traumatizou. [...] Um evento traumático envolve uma experiência ou série de experiências repetidas que afetam a maneira de o indivíduo lidar com ideias ou emoções envolvidas com aquela experiência, podendo às vezes durar semanas ou anos. O trauma pode ser causado por vários tipos de eventos, mas há alguns aspectos em comum. Geralmente envolve o sentimento de completo desamparo diante de uma ameaça real ou subjetiva à própria vida, ou à vida de pessoas amadas, ou à integridade do corpo. Um trauma pode, frequentemente, violar as ideias do indivíduo a respeito do mundo, colocando o indivíduo num estado de extrema confusão e insegurança. O trauma também pode acontecer em decorrência da traição de alguma pessoa ou instituição de maneira imprevista, ou ainda, alguma desilusão ou privação sofrida em algum(s) momento(s) da vida, que possa ter ocasionado transtornos no indivíduo."
_Wikipédia

segunda-feira, 8 de abril de 2013

O Amor abre os olhos do próximo.


A gente lê cada absurdo, cada coisa estranha...e pior, de pessoas "inteligentes". Mas normal, né...todos nós estamos expostos e podemos ser contaminados e nem perceber.
Certo dia li que quem ama faz de tudo pelo outro. Claro, com algumas exceções.
Queridos, o amor não passa a mão em coisas distorcidas, erradas, contrárias...E aqui não estou falando de opiniões. Óbvioooooooo, opinião cada um tem a sua.(nem precisava explicar, mas como sempre tem um ou outro que quer polemizar...acho melhor deixar bemmm claro).
Eu tenho amigos que AMO (e amo mesmo!), mas isso não significa que eu concorde com algumas atitudes.
O que alguém que ama faz? FALA! Expõe pra ele. Afinal, são amigos e amigos falam a verdade mais do que qualquer outra coisa (pelo menos, deveriam).
Certa vez um amigo fez algo muito errado (sim, existe certo e errado para algumas coisas). Há princípios morais, aqui é selva mas há a lei da selva.
Continuando...Um amigo "pegou" emprestado um dinheiro do trabalho e devolveria no dia seguinte. Fiquei sabendo por outros meios, depois ele me contou. O que eu fiz?
Falei "vc está errado! As pessoas confiaram em você. Você quebrou isso.".
Ele arrependido disse: -"e agora o que eu faço?"
Respondi prontamente: "-Devolva, peça perdão e MUDE. Nunca mais faça isso!"
Ele estava chorando...E eu continuei: -Olha, eu te amo, e você sabe disso. Mas discordo dessas atitudes".

Queridos, o amor grita verdades, repreende quando está errado. Quero muito que meus amigos sejam felizes, mas se a felicidade deles estiver ligada a algo "incomum"...Não apoio e nem apoiarei, mas continuarei amando e torcendo para que os olhos se abram.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Reinventar é preciso.


Sabe, fico relendo meus textos e vendo o quanto amei /amo alguém gratuitamente.
Do meio de 2010 pra cá são todos os textos praticamente dele, inspirados nele. É amor. Eu sei que é.
Eu sei que pensam que ele não merece. Mas quem disse que a gente ama por mérito?
Amor desperdiçado? Acredito que não. Esse amor deve ter feito bem pra ele, deve fazer bem pra sempre. E tomara que faça!
E pra mim? Ué...Dou amor porque é o que tenho pra dar, porque é o que recebo gratuitamente do Pai (Deus) e de tanta gente!
Amor saudável não pode fazer mal.
Não, não me acho tão corajosa por escrever tanto pra ele, até porque só fui contar-lhe muito tempo depois. E ele não é um leitor assíduo. Minha vida pouco lhe interessa (triste constatação).
Eu não escrevia (ou escrevo) por ter coragem. Escrevo por NECESSIDADE.
Eu preciso desaguar em algum lugar. E ainda bem por esse lugar!
Escrevo aqui não para expor (embora muitas vezes exponha, porque nem sempre invento contos. Simplesmente conto.)
Escrevo porque me ajuda a pensar, descarregar tanto amor, aliviar...e pelo menos aqui posso sonhar.
Mas uma hora os pés se cansam de ficar de pé esperando... A mão se cansa de procurar e não achar.
Uma hora os olhos se cansam de não ver, os ouvidos se cansam do silêncio.
Uma hora a boca seca de tanto chamar.
Uma hora o corpo não resisti, desiste.
Uma hora a mente cansa de inventar justificativas para a ausência. Ele não quis.
A imaginação cansa de imaginar apenas...
Ele não está. E acho que nunca esteve. Talvez ele nem exista.

Mas diante de tanto cansaço. A gente tem que aprender a continuar.
A gente tem que inventar um lugar pra guardar o amor, e inventar mais outro lugar para que nasça um novo amor. E já que tentar não consigo mais.... A gente tem que inventar, se reinventar...
No meu caso Rê-inventar.


quarta-feira, 3 de abril de 2013

Menos comparação, Renata, menos...

Vez ou outra a razão quer comparar. Mas a razão não sabe das coisas.
Aliás, ela sabe de COISAS e não de coração.
E ela diz : "ele não é assim como o fulano, ele não gosta disso ou daquilo...".
E às vezes a gente quase cai.
Por exemplo, uma observação que pra mim sempre foi primordial: ele não é músico. Sempre gostei de músicos, porque a ideia de ter alguém do meu lado que fosse desafinado já me deixava irritada.
E de repente me vi questionando isso: "ele não é músico."
Aí eu me respondi: "não, não é. Mas ele tem inúmeras outras qualidades, e dentre elas a maior, ele me quer. Ele sonha comigo. Ele perde o sono por mim. E ele me diz essas coisas. Ele não joga, ele SE joga. Ele não esconde o que pensa. Não esconde os medos. Me pergunta, me ouve, me responde...não se ausenta. Ele muda a rotina dele por mim, muda os planos...Não, ele não se anula, apenas se adapta."
E diante de tudo isso, meu desejo de que "música" fosse algo em comum se torna pequeno.
E não adianta, só tem UM "exemplar" de cada. UM não é o outro e é estúpido querer que seja. E ainda bem por isso! Porque querer isso implicaria no "outro" ter os mesmos defeitos do "um"...e pular do barco.
Aí eu não aguentaria.