Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Os dois tipos de amor.




Tem gente que a gente ama sem porquê, sem merecer. Sem início.
E quando é assim, sem fim também.
Ama-se porque uma alma encontrou a outra. Ama-se num nível mais alto, onde a razão é regresso.
Não que seja errado amar com razão, claro que não! Mas, quando se ama sem porquê não se deixa de amar. Se não tem porquê amar, também não tem porquê desamar. Nada é motivo para esquecer, para acabar, para matar o outro ali dentro da gente.
Óbvio, até esses que amamos no "de repente" precisam de um pouco de razão no decorrer da história. Mas apenas para manter, para escolher, para honrar, pra não tratar com descaso (como se a gente esbarrasse no amor todo dia!).
Esse amor que não tem início nem fim é como uma aliança. E alianças são pra sempre.
É bom, claro! Mas às vezes tortura quando o amado já não está mais ao seu lado, ou mesmo quando nunca esteve. Porque o que invade o coração fica na vida (mesmo que a pessoa esteja ausente). E esse amor invade.
E isso esmaga quando a gente tem que controlar, tem que vigiar pra não ser amável, tem que vigiar pra não mandar beijo, tem que ensaiar pra conversar friamente, tem que se segurar pra não ser natural.
O problema quando esse amor está longe é que ele não desgasta, mas nos gasta, nos cansa.

É, mas tem outro tipo de gente.
Tem gente que a gente aprende a amar.
Um dia de cada vez. Convivência. Conveniência.
Tem motivos, lógica.

Tem gente que gosta da companhia do outro, tem química (mesmo que seja um pouco), a pessoa faz bem pra ela...isso já basta para decidir amá-la. Acho admirável!!! De verdade! E não estou menosprezando esse amor. Realmente pode surgir um amor ali. Mas pra mim...
Ahhhh eu preciso sentir o coração pular, sentir frio na barriga, preciso ficar mais besta que o normal....O morno me limita, e relacionamento assim PRA MIM é morno.
Eu preciso perder o fôlego. Meu olho tem que brilhar! Eu gosto disso. E não venha me dizer que isso é um amor imaturo. Não. Não acredito assim.
Acredito que isso é amor e ponto. Mas cabe a nós aceitá-lo ou não. Porque esse AMOR sim exige maturidade. Porque exige entrega, pois não se tem muito controle de tudo. É um amor livre, sem rédeas!




Obs: Texto confuso como estou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário