Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Até onde é auto engano?

Tragicamente cá estou eu pensando em você.
Sabe o que eu mais gostava em você? O fato de eu poder ser EU em tudo! Nunca quis provar nada pra você, sempre achei desnecessário. Não sei se é porque eu vinha de uma relação que havia me cansado por ter sempre que provar, que com você eu simplesmente vivia. Escancarei meus defeitos, aprimorei minhas virtudes. Mas me enganei. Eu achava que você não se importava. Achava que você, assim como eu, se importava com o SER e não com o fazer ou ter. Mas, fico voltando a fita pra achar o "porquê", e ao mesmo tempo avalio sua relação com 'a atual'. Eu nunca achei que você fosse se importar com o fato de eu não ser rica. Sim, pago minhas contas, viajo um tanto bom, mas isso é pouco pra você, né?!  Sou apenas contra a "mercantilização dos sentimentos". Não, não se ofenda. Infelizmente, é comum isso de "mercantilizar", e é mais comum ainda as pessoas terem isso enraizado nelas e nem perceberem. Desculpe-me se não sou apaixonada por dinheiro, ele é meu servo e não Senhor (não só na teoria, como na prática também!).
Me lembro quando me contou sobre a mocinha que está com você :"ela trabalha comigo, temos objetivos parecidos". Perdão, mas não entendi essa colocação. Qual objetivo? Só porque meu trabalho não é tão normal (pra você) não significa que ele não seja um trabalho. Sou atriz com muito orgulho e talento (diga-se de passagem). Mas isso não te causava uma real admiração porque é instável (eu sei).
Por que acho isso? Aí, vem em minha memória o dia em que conheci sua incrível família (sim, é incrível! Muito amável. Mas saiba, tão imperfeita quanto a minha família. Embora eu ache a minha perfeita). Perguntaram-me o que eu fazia, respondi prontamente: "ATRIZ". Me olharam como se eu fosse uma perversa, hippie, sonhadora...sei lá. E você logo emendou: "ela é jornalista também. Apresentou um programa de turismo em SP, viajou pra República Tcheca, Espanha, Portugal...". Eu sei, meu bem, você queria causar uma boa impressão. Mas me doeu um pouco eu ter que provar meu valor pelo que faço ou tenho, por status...sei lá. Pode não ter sido intencional, mas foi o que foi.
Eu até acredito que você sentiu alguma coisa por mim, mas talvez sua razão não tenha conseguido explicar como amar alguém que como defeito principal tem sua profissão? Como amar alguém que você não terá controle sobre o dia a dia (não falo do controle no sentido ruim, mas das várias possibilidades de um amanhã)??? A gente poderia estar junto até hoje, até sempre! Mas você queria uma lógica para o amor, queria uma certeza para o amanhã. Meu bem, a única certeza que poderia te dar era de meu amor e sempre achei que isso deveria bastar. Mas me enganei.
Aliás, me enganei num monte de coisas. Me enganei achando que você teria coragem, que lutaria por nós, que acreditaria no amor....Ahhh como eu ME enganei. Auto engano é tão estúpido, né?! Eu sei que é, todo mundo acha. Por exemplo, AGORA, não sei se tudo isso que acabei de falar tem algum sentido ou se estou no 'auto engano' pra ME justificar seu abandono, sua desistência...

E não é revolta, despeito,...você me conhece, é apenas uma necessidade de entender, de saber a origem dos "porquês". Porque a única coisa, pra mim, que não tem explicação é o AMOR. O resto....

Nenhum comentário:

Postar um comentário