Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Minha primeira vez.

Então você nunca fingiu pra você mesmo que estava gostando de um outro alguém só pra ver se conseguia esquecer O Amor?!
Você nunca fez isso? Aliás, você não faz isso AGORA com essa menina que está com você?!
Sabe, essa está sendo minha primeira experiência. Estou achando um tanto estúpida, cortante...mas deve dar certo. Deu certo com você, não deu? Eu imagino que sim pois já dura o bastante. O bastante pra me destroçar.
Agora é minha vez. Tente entender. Foi você quem me ensinou. E torça pra dar certo!
Mas eu não tenho orgulho não, e se um dia você resolver parar com esse teatro todo, pode me chamar. Só não demore, pois, como eu disse, esse fingimento pode dar certo.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Na palma da mão.



É estranho ter uma pessoa na palma da mão. Não gosto disso não!
Sempre achei mais fácil e sadio tê-las no coração.

Não me escute. Decida.


Confesso que tenho medo de quem consegue ultrapassar os limites que crio, quem consegue pular os muros altos que construí.
Fico admirada, acho corajoso, mas dá medo. Porque se ele ousou pular o muro pra entrar, poderá pular lá de cima também depois de fazer sua conquista.
É estranho. Eu deveria dar um prêmio, né?! Um voto de confiança. Eu confio. Mas é uma confiança frágil.
Preciso dar um jeito nisso. Mas como? Estipular o "teste"? De repente me dá um pânico quando penso que há mais alguém aqui em cima comigo. Sim, sempre desejei isso, mas nunca me acostumei, nunca tive uma oportunidade confiável....Os que saltaram o muro, saltearam minha alma, me levaram de mim e só tempos depois devolveram.
Não sei se peço tempo e paciência, se peço que venha mais depressa ou que pare....se peço que vá embora ou que fique. Na verdade, não sei se nessas condições posso pedir alguma coisa. Então, seja o que for que eu fale, verbalmente ou não-verbalmente, não me escute. Faça o que achar que deve fazer. Só não se esqueça de decidir sempre pensando com amor e respeito.

terça-feira, 29 de maio de 2012

À Deus.

Muitas vezes me perguntei "COMO PROSSEGUIR?"
Continuar o percurso do jeito que eu não imaginava era tão difícil, dar o próximo passo parecia impossível.
Mas descobri que não era impossível, eu apenas estava respeitando o MEU tempo.
Respeitando-me até meu último fôlego. Planando, mesmo sem forças, até perceber que debaixo de mim já havia algo que me sustentaria e não me machucaria tanto.
Acredito, hoje acredito, que dei meu abraço de despedida. Foi tão gostoso, tão aconchegante...apesar de denso e contido. Um abraço com um tanto de coisas dentro: alegria, satisfação em rever, saudades por 'não ser', temor por perder...Nunca é fácil perder. Perder o outro, perder a esperança, perder o jogo, perder-se.

E agora a estranheza me faz uma visita. Não sei o que pensar, o que sentir, o que falar ou o que não falar.
Talvez seja a hora de dizer ADEUS. À Deus.

sábado, 26 de maio de 2012

Como continua.


Apareceu uma pessoa realmente disposta. Um homem bom e corajoso. Um homem que passa por cima de seus próprios medos.
Ele quer me acolher, e agora Baby?
O que eu faço com esse amor que é seu? Amor não se devolve. Ou será que estou enganada?
E meus pensamentos que me traem a todo instante, o que eu faço? Você deve saber o que fazer. Você é bom nisso de se esconder. Me ensine, por favor.
Eu quero ir adiante. Na verdade, eu preciso ir adiante. Te esperar tem sido desgastante.
Mas como vou adiante com outro alguém que não seja o dono de meu amor? Como dou um passo a mais sem você, e pior, me afastando ainda mais de você???
Vai, me ensine como driblar a vida.
É uma dança, uma farsa, ....? Não dói, dói?
Tenho medo de te machucar, e assim, me machucar.
Eu sei que não deveria me preocupar, afinal, eu sou a última coisa que em sua mente deve ocupar.
Mas eu entendo disso, dessa dor, desse 'des-amor', desse quase clamor. Clamor que ultrapassa a razão, visita os sonhos na madrugada silenciosa, descobre o óbvio que vive oculto.
Eu entendo de toda essa trajetória e não me alegra pensar que você possa viver isso também assumidamente.

Eu peço, me ensine a não ser sua, a não me pesar tanto ficar nua. Me mostre como continua.

Por uma vida LEVE.


Porque a vida é assim: leve.
Não, não se carregue. Seu próprio peso é suficiente para te cansar.
Sim, vai errar.
Mas isso não te torna indigno. Um erro aqui outro acolá, é assim mesmo.
Sente-se pecador? Faz bem. Porque é. É a natureza humana, e é humano.
Ou será que virou Juiz? Não, não perca tempo julgando os outros a partir de você.
Quem é você para ser referência? Respeite a singularidade alheia.
Mas não confunda. Não estou defendendo os que usam de sua "humanidade" para justificar erros.
Isso é coisa de medíocre! E, VOCÊS, sabem...não escrevo para medíocres! Desse lamentável nível basta eu.

Acho que deve sim fazer o teu melhor, tentar não errar tanto (propositalmente), fazer escolhas mais sábias.
Mas não acho que deva se condenar tanto por um erro. Ninguém consegue seguir a LEI em tudo, falo da Lei do Mundo.Usufrua da Graça de Deus (é de graça!).
Uma hora ou outra vai sim tropeçar, mas e daí?! Peça perdão, perdoe-se, ARREPENDA-SE e continue a andar.
Leve a vida leve.
É insuportável se punir por erros. Erros seus e dos outros. É arrogante punir os outros ou julgá-los por seus erros.(não estou anulando aqui as consequências de alguns, estou apenas sugerindo que olhe o mundo com mais AMOR).

Tente ao menos ser sincero com você mesmo. Sinta o que tiver sentindo. E não julgue quem sentir e demonstrar isso.
Aplauda a transparência e vai sempre ter pessoas 'inteiras' contigo. Pessoas que não têm medo de que vá pensar mal delas por estarem sendo HONESTAS. Pessoas que, assim como você, têm suas fraquezas, seus limites, seus momentos de trevas.
A sinceridade sempre dá espaço ao crescimento. Porque quando se assume quem é, pode remediar.

Mude seu filtro. Mude o ângulo. Mude o papo. Mude-se se for preciso. Não pense que, ao mudar, você deixaria de ter personalidade, não! Só alguém com muita personalidade e coragem é capaz de assumir que levou uma vida inteira de forma "estranha" e decide mudar.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Dia do Avesso.


Tem dia que a gente acorda do avesso
Mais pra dentro do que pra fora
Mais passado do que presente
Mais saudade de quem está ausente.

Tem dia que a gente acorda com doce na boca
E depois de gritar baixinho, com a voz toda rouca.
E o doce lembra ele
E a lembrança chama por ele
E ele...Ele não responde.

E nesse dia todo contrário, o amor decide sair do armário
E os sonhos são puxados pelo vento.
Pra não me bagunçar mais, fechar a janela eu tento.Tento.
Mas o vento não vem de fora, vem de dentro.

E como não tem saída, meu coração tem uma leve recaída.
[como se houvesse distinção de peso para as recaídas]
E quando o coração canta sem ninguém pra ouvir, eu choro.
Mas eu choro sem ninguém me ver
Por isso, quando o amanhã chegar ninguém vai perceber.

E o "dia do avesso" vai ser repetir, eu sei que vai, não sei mentir.
Vai se repetir até o momento em que aqui dentro e lá fora forem compatíveis,
E dois corações, ao mesmo tempo, ficarem disponíveis.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Transformar-se.

Você pode pensar que sofri muitas decepções ou que parei no tempo e meu amor congelou. Decepções...O que seriam? Acho que somos decepcionados quando não respeitamos a "HUMANIDADE" de alguém ou de nós mesmos. Quando exigimos comportamento exemplar em 100% das situações e tiramos a deliciosa loucura do "não saber", da reação inesperada até mesmo para o autor da reação. Quando penso em decepção, logo penso em desrespeito. E não estou exagerando! Mas a decepção caminha junto com o egoísmo de achar que todo mundo deveria agir e reagir como nós, mesmo que tenhamos tido histórias e construções completamente diferentes! Claro, fico triste sim com algumas situações e reações, mas é tão momentâneo que nem merece o nome de decepção. Só fico decepcionada COMIGO, quando ajo de forma mesquinha e exijo de mim mesma um comportamento exemplar em todo tempo! Isso é tão desumano! Tão pesado!Desrespeitoso. 
E, depois dessa explicação sobre decepção, sobra apenas a opção de que parei no tempo e meu amor congelou, né?! Amor congelar...não no sentido de frieza mas de SER FIRME. Não parei no tempo. Muito menos parei o tempo. Pelo contrário, ele anda no seu ritmo normal, mas a espera faz parecer que ele parou. Eu sei que não. Pois vejo minha evolução, vejo vários acontecimentos (bons e outro não tão bons)...Mas não importa. O importante é acontecer, continuar, fluir... E daí que pensem qualquer coisa a seu respeito simplesmente porque você ama alguém?! Você realmente se preocupa com isso? Eu não. Não mesmo. Não se pode matar! Nunca aprendeu isso? Matar é crime. E matar o amor é crime que sempre leva a condenação. Seja culposo ou doloso. Vai viver sempre com sua própria condenação de que poderia ter feito diferente, poderia não ter sido indiferente...A diferença é que ser for doloso vai ter que conviver com a culpa e crueldade de matá-lo intencionalmente. E se for culposo a culpa pode demorar mais um pouco, pois, quando o cometemos (se o cometemos!) enganamo-nos a nós mesmos até o momento que a verdade vem à tona. 
Mas, dada as duas explicações, lanço a terceira. 
Como não mato, e procuro não me decepcionar fica difícil apagar o amor. Ainda mais quando não há muito do que se queixar, a não ser da covardia alheia... Mas no caso da covardia, na minha avaliação entra o histórico, o medo da entrega, e tudo o mais que homens sentem mas não assumem (a maioria deles, pelo menos). 
Há alguns dias um amigo confessou: "Se você morasse aqui (nessa cidade), por mais que eu ame sua companhia, eu fugiria de você. Porque você bagunça nossa cabeça, é um mistério, e a gente quer estar sempre perto de você." 
Questionei: "Mas se você quer estar sempre perto, por que fugiria? É contraditório isso!" 
Ele concluiu heroicamente: "Porque, no momento, minha vida tá toda certinha, tudo tranquilo e você tiraria meu chão, meu controle. E homem não gosta de perder o controle! Homem tem mais medo..." 
Mais uma vez indaguei: mas você abriria mão de viver algo por medo, por não querer perder o controle??? 
E ele me beijou (e não respondeu!).
E esse não é o tal que se referem quando falam que parei no tempo. É alguém querido que depois de muito tempo resolvi me abrir. Alguém que teve coragem pra, pelo menos, dizer o que se passa de verdade, coragem para se enxergar...E isso é admirável! 


Por isso, acho que o amor não deve morrer, deve transformar. Transformar o outro, transformar-me e se não der pra ficar junto....TRANSFORMAR-SE.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Tradução da realidade.



Essa imagem é mais real do que você imagina. Muitos se tornaram estátuas, pessoas de coração de pedra, insensíveis...e usam como desculpas as pedras no caminho. Não é que não tenham coração, até têm, mas são extremamente racionais e ignoram os sussurros dele. Lamentável. Repense. A Indiferença é assassina e suicida.

Meu coração.

Tem coração que é estrada: muita gente passa por ele. Usa.
Meu coração é praia afrodisíaca (ilha): só chega nele quem enfrenta o caminho, o mar, ...quem deseja muito chegar lá. E não usa, desfruta. É diferente, bem diferente.
E quem chega, nunca sai. Pode ser difícil de chegar, mas quando chega jamais eu vou deixar!

E claro, estou falando de pessoas queridas, não só amantes, mas AMADOS. Tenho carinho por muitos, mas nem tantos moram na praia.

UMA PALAVRA.

Amar.
Porque amar cura quem ama e quem é amado.
Amar estimula o crescimento.
Amar aceita o outro diferente dele.
Amar perdoa.
Amar gera vida, gera riso, ...Amar nasce.
Mas, falo de amar PESSOAS. E não coisas ou metas.
Sim, é importante amar sonhos, metas e tal...Mas amar pessoas é ESSENCIAL.

Por isso que Deus nos deixou dois mandamentos: "amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo".
Quando amamos a Deus, passamos mais tempo com ELE, nos tornamos mais parecidos com ELE, aprendemos mais com ELE.
Amar ao próximo como a nós mesmos....é muito mais do que deixar de fazer algo que o magoaria, é mais do que se colocar no lugar do outro. É fazer pelo outro aquilo que você faria por você!

Por isso, a vida se resume em AMAR.