Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Auto-Conspiração?

O grande problema quando eu mesma ME ENGANO é que, como tudo que está oculto vem a luz, quando eu descubro sofro ao quadrado. Sinto a dor da vítima enganada, e a raiva de mim mesma e arrependimento do "infrator".

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Irreal.



-Você me desperta, me acorda, me esquenta...
Liz sorriu pensando que ele falava da alma. Enganada pelas palavras dúbias, não só respondeu como correspondeu tal confissão.
-Você me faz sonhar, amar, molhar...

Talvez não fosse por maldade que Tico lhe falava aquelas coisas, e deixasse Liz imaginar demais...talvez.
Provável que Liz fosse estúpida demais e crente demais. Bem provável.
Nada aqui é o que parece. Interpretaram a mesma história de forma distinta.
É o que acontece quando usam partes do corpo diferente para andarem. Um usa a cabeça, outro o coração. Um razão, outra emoção. E se não há comunicação explícita um pequeno mal entendido pode ser a desgraça de quem usa o coração. E pra quem usa a razão e tem um pouco de consciência, esse erro de comunicação gera um desconforto que logo se vai.
Os dois foram vítimas e 'autores', mas uma razão com desconforto é bem mais fácil de resolver do que um coração que foi destroçado.


Tico era um cara legal, desapegado de pessoas. Liz era desapegada de conquistas e sensível, e como toda pessoa sensível, ridícula. Mas ela não tinha vergonha disso, pelo contrário.
Ambos tinham uma beleza notória.
Depois de muito tempo, se encontraram. Liz era acostumada a ser tratada com muito amor e respeito, acima da admiração por sua beleza.

-Quero fazer amor com você. (disse Tico)
Era tudo que ela queria. Aliás, quase tudo. Com uma diferença, ela queria fazer amor com ele todos os dias. Ele...ele queria 1 dia. E ele disse isso.
Foi a informação que precisava para que o mundo dela despencasse.

-Sabe, despertar desejo em homens não me deslumbra. Isso acontece desde sempre....mulheres despertam desejos em homens. Eu pensei que você fosse diferente. Pensei que suas palavras carregassem sentimentos. Mas não. E palavras sem sentimentos são leves demais...o vento leva.

Tico se surpreendeu com a reação dela. Pra ele era tão natural.
Liz se retirou e foi repensar, chorar, gritar...fazer qualquer coisa que pudesse se expressar!
Não era drama, era apenas a história (como não tinha que ser).
Tico não entendia a dimensão da 'coisa toda'. Foi tentar entender o motivo que Liz chorava e se mostrava indignada.
Liz, com os olhos marejados e visivelmente confusa concluiu:
-Não fiquei triste porque nossa história acabou, não. O que estou sentindo é decepção por descobrir que NOSSA história nunca existiu. E decepção comigo mesma é muito mais dolorido. Ter que ME enfrentar exige muito mais coragem.

Mudança.



Abandonar até o que é grande.
Encaixotar coisas pequenas.
Empacotar os detalhes.
Passar fita de identificação, depois uma outra fita adesiva pra não ter perigo de nada escapar.
Algum presente para embalar? Não, não.
Algo pra doar? Também não.
Mas antes de jogar tudo nos devidos lugares, limpo cada cantinho.
Não quero levar nada daqui. Nem poeira.

Estou ME mudando, estou mudando e estou de mudança. Três coisas distintas.
Se vou levar os pacotes e caixas para algum lugar?
Não sei. Ainda não sei pra onde vou, nem quem serei ou se cabe história no novo.

Algumas caixas molharam. Era involuntário mas minhas lágrimas corriam como se quisessem se juntar ao que já foi sonho (irreal, mas foi).
Papelão molhado logo se desfaz. Fiquei com medo de algum detalhe vazar da caixa e grudar em mim, e antes que todo meu trabalho de me DESFAZER fosse em vão...Me levantei do chão.
É...do chão...Porque é lá que a gente fica quando tudo desmorona. É lá que a gente fica quando não sobra orgulho, quando a decepção te abraça...é lá que EU fico, no chão.
Mas não se engane, não fico por muito tempo não.
Antes que qualquer resquício de amor me envolvesse, me levantei num pulo só e em poucos segundos eu estava diante da porta. Agora, do lado de fora, com a chave na mão.
Porta trancada.
Quanto à casa e tudo que estava dentro...Não sei. Não quero olhar pra trás.
As traças devem comer tudo, a poeira deve cobrir...
Aí amanhã eu vou sorrir.

Em que parte da história?



Eu nem sei por onde começar
Talvez porque "começo" já não há.
Tento me localizar na história
Mas as lembranças se confundem na memória.

Meio nunca teve.
Quando parou era apenas o princípio.
O reencontro me questiona se agora é o desenrolar do conto
Ou simplesmente um ponto.

Se antes eu queria meio e reticência.
Hoje, depois da ferida feita, interrogo minha consciência.
Seria tudo uma farsa, o que sinto e como o vejo?
A ausência de reação substitui o desejo.

A decepção me faz negar o beijo.
Se é final não faz mal.
Hoje qualquer coisa seria melhor que o real.
Ontem o sonho era um presente e hoje não sei o que o coração sente.
Hoje, depois do baque, eu desisto.
Amanhã?
Amanhã acho que eu nem existo.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

É Natal...


No Natal...
As pessoas decidem se amar.
Criam coragem pra declarar um amor.
Abrem o coração para perdoar
Resolvem olhar para o lado e doar um pouco de si.
Cobrem quem tem frio, alimentam quem tem fome...
Dão um basta nas intrigas inúteis.
Compram presentes. Ganham presentes.
Fazem uma refeição juntos.
Agradecem à Deus.

Claro, tudo isso é muito bom.
Mas o Natal é todos os dias. (pelo menos deveria ser!)
Ser a expressão do Amor de Deus deve ser uma busca diária nossa.
Celebrar e agradecer pelo nascimento (morte/ressurreição) de Jesus Cristo deveria ser algo natural.
Pois sem ELE nada tem sentido, a vida não tem sentido.
É por causa de Jesus que podemos nos achegar ao Pai (Deus).
Neste dia 25 de dezembro de 2011, eu desejo que possamos viver o natal todos os dias!
Que possamos amar, assumir e declarar um amor....Perdoar e ser perdoado...Olhar para o lado(ter compaixão), falar com Deus, reunir amigos e familiares durante a refeição...Dar presentes...TUDO ISSO...TODOS OS DIAS.

Beijos
Com Amor de Deus, Rê Marra.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Não convém?



-Oi, Amor...
-Oi menina...
-Menina?
-É, am(ops!)menina, acho que não convém mais te chamar assim na nossa atual situação.
-Hum, desculpe mas meu amor não é por CONVENIÊNCIA. Essa grandeza de sentimento chamada Amor não é por mérito, nem conveniência...Não tem como eu deixar de te amar simplesmente porque não convém. Você pode até conseguir isso, mas eu não. Você acha que eu gosto de te amar não tendo-o perto?

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Assim Flor vivia...



Alguns dias a realidade que citavam machucava demais.
Nada pessoal. Nada diretamente com ela. Mas o indireto e o impessoal alcançavam o coração dela de alguma forma.
O injusto, o desamor, a apostasia, a banalização do que realmente importa, a desgraça, a indiferença, a corrupção (moral também!), a fome...os jornais sangrentos. Essas coisas minam a fé de qualquer um. E Flor percebia. Flor SE percebia.
Tentava não saber pra ainda acreditar. E ela acreditava!
Para sobreviver precisava de horas diárias com o Pai (Deus-Cristo). Depois ainda mergulhava em livros e filmes. Às vezes, se isolava.
Para alguns era fuga da realidade. Para ela aquela era a realidade.
Era sua oportunidade de sonhar sem ninguém observar. E como ela vivia de sonhos...era sua oportunidade de VIVER. E ela vivia...

Porque a vida é assim.

Não escrevo sobre "famosos", nem os uso como inspiração.
Escrever sobre "conhecidos" pra que?
Escrevo sobre anônimos, sobre os desconhecidos (sejam pessoas ou sentimentos).
Há pessoas que acham que escrevo sobre mim. Sim, às vezes me uso como personagem, pra não ter que expor mais ninguém.
E se existem outras pessoas ligadas à mim, é natural que o que elas me despertam seja retratado.
Mas não retrato pela simples vontade de contar e sim de espalhar-me, de gerar cumplicidade, de mostrar, por exemplo, que o amor pode dar certo, mas também pode machucar.
Porque a vida é assim.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Limite. Não ultrapassar.



Há dias que estou caminhando.
Já vejo até uma plaquinha "Perigo. Não ultrapassar".
É, é o limite chegando.
E quando o limite chega, a força acaba. É simultâneo (ou sinônimo?).
E onde entra o maior perigo de todos: o de desistir.
E nesse momento a gente pode se precipitar nas escolhas, nas aceitações.Pois no deserto, suor é água e mata a sede.
É o perigo do morno, do bom, do razoável...
Dizem que o perigo mora ao lado. Mas ao lado não vejo ninguém.
Talvez perigo seja apenas um de meus lados, uma opção que posso escolher (o atalho, o confortável). Não estou dizendo que temos que sofrer pra conseguir algo, nem que o ótimo é sempre dolorido. Mas, às vezes, há um preço a pagar, há algo que temos que abrir mão, há uma escolha a fazer.
E...me lembro que, se o perigo mora ao lado, a Segurança mora aqui dentro.
Não, não a minha. Mas Aquele em quem posso confiar a minha vida: DEUS.
E diante da "plaquinha" de limite, cansada, me ajoelho.
Eu sei, quem fica de joelhos não cai.
O Pai sempre me ergue. E quando não tenho mais forças, Ele não me acha fraca, ELE simplesmente me acha(me encontra) e me carrega.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Meu resumo.

Faço arte
Faço parte
"Os homens são de Marte, e é pra lá que eu vou".

Faço graça
Saio da massa
E meu amor nunca passa.

Em padrões não me encaixo
Algumas vezes não me acho
Comigo eu me entristeço
Mas logo eu amanheço.

Não dá pra dizer que sou artista, jornalista ou musicista.
Isso é o que faço.
Não sei resumir-me em mais nada
Só sei que sou uma filha muito amada.

Amor que recebo de graça
E por isso mesmo é chamado de Graça.
Talvez eu nunca entenda o porque ELE me amou enquanto eu nem via.
Só sei que naquele momento ELE morria.
Mas como ser filha amada não basta
De tudo que é ruim meu Pai me afasta.

Sim, Ele morreu, mas logo ressucitou.
E por isso completa eu sou.



terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Sobre a saudade.



Saudade a gente não mata, a gente alimenta.
Porque quando a gente encontra a pessoa querida a saudade não passa, mas é saciada, e tempos depois estamos com fome da pessoa de novo.
E se é amor,...a fome quase engole a razão, quer sair pulando muros pra acalmar o coração.
O grande problema é quando o muro é alto demais. Aí, por mais que tenha saudade, que tenha fome e nada de razão, por mais que tenha vontade é impossível abraçar o outro coração.
Aliás, impossível sozinha.
E a razão volta a aparecer, embora sem nexo.
Penso que eu posso desistir de pular muros, posso desistir de 'matar a fome', posso desistir de um mar de coisas, pois o cansaço e a espera me torturam. Então, nesse momento, desisto de você.
Mas não posso desistir do amor, não posso desistir de mim.
Choro até que não haja água mais em mim, nem salgada nem doce. E, por instantes fico seca e neutra. Respiro.
E me flagro começando tudo de novo, pois não desistir de mim implica em não desistir do amor; e o amor e você são sinônimos.

E se não houver amanhã, vc fez o hoje valer a pena?

Você se cuidou?
Fez as coisas que gosta? Ou só trabalha, trabalha e trabalha?
Ligou para aquela pessoa que você sente falta?

Você AMOU ? Ótimo.
Mas você ASSUMIU esse amor pra o amado???
Você lutou pelo amor?

Falando em amor...
Você creu que Deus o ama absurdamente?
De verdade? Então, você usufruiu desse Amor?
Não?! Então, você não perdoou o outro, não se perdoou, não amou o outro, não se amou,...
Você ficou procurando "picuinhas" para brigar ao invés de aceitar?
Você decidiu SER FELIZ ao invés de estar feliz?
Você achou que o mundo estava contra você? Então, você, assim como eu, às vezes ainda vacila quanto ao Amor de Deus. Porque ELE não mente, e ELE é Amor e é BOM em todo tempo. Se não cremos assim...o fazemos mentiroso. E isso, ELE não é.

No final das contas...VOCÊ FOI SINCERO, HONESTO COM VOCÊ MESMO (com o que sente), com os outros e com Deus???

Essa é a luta!

Te vejo e às vezes tão forte, outras tão fraca.
É triste vê-la cometendo os mesmos erros, mesmo que tenha superado outros.
E não tente justificá-los pois isso só piora.
Só os fracos precisam de justificativas.
Assuma-os e mude.

É estranho vê-la em dúvida. Logo você!
Não, o problema não é ele, nem o outro, não é a situação.
Olhe-se no espelho e verá seu maior inimigo.
Mas não se assuste. Ame o inimigo e ele se tornará amigo.

Vê-la assim tão vulnerável pode até não ser agradável, mas é real.
Ver-me assim tão exposta é necessário.

Essa é minha luta diária: vencer meu eu.
Submeter minhas fraquezas ao Pai (Deus), abandonar minha 'falsa força' pra ser forte Nele, abandonar minha autossuficiência para depender Daquele que é Perfeito.
Mas não desisto nem me desanimo.
Um dia eu me perco, outro eu ME venço.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Hoje vou sair.



Decidi. Hoje eu vou sair. Com quem, hein?Pensei em minhas companhias e amigos. Não dava. São todos homens. E mesmo que sejam amigos não me sinto a vontade de olhar para o lado nem pra ver se, por perto, tem algum cara que mexa comigo. Eu não sei pra que isso! E tem mais, meus amigos são ciumentos, gostam de sair comigo e ponto, deixei-os mal acostumados, atenção demais...sei lá. Sei que prefiro mil vezes sair com pouca gente do que sair de turma. Até porque, mesmo que eu esteja em turma, uma hora vai ser como se eu estivesse apenas com aqueles poucos amigos. Dois ou três.
Eu gosto de muita gente, mas gosto muito de muita gente e fico sem saber o que fazer por não poder dar a atenção que eles estão acostumados ter de mim. Resumindo, estou tentando achar justificativa para não sair (eu acho).
Então vamos lá, eu tenho sim algumas amigas(POUCAS, POUQUÍSSIMAS) mas todas estão namorando. Por que eu não estou??? Tá aí uma boa pergunta. Mas uma boa pergunta com uma resposta nada boa. Então, vamos focar na noite, na "saída".
Uma amiga me liga :"-Alice, vamos sair?!"
- Oh não, obrigada pelo convite mas vou ficar trancada aqui na torre sem nenhum príncipe pra me salvar, e nem tranças tenho mais!"
-Hã?
-Bom, você vai sair com seu namorado e..." .
-E ele gosta muito de você também! Venha com a gente!
-Tá bom vou sair, mas não com vocês.
10 minutos depois minha amiga toca a campainha.
-Vim te ajudar a se arrumar e me certificar que você realmente vai sair de casa.
-Hum...
Bom, agora não tem mais jeito. Eu vou sair. Ainda não sei pra onde nem com quem. Mas vou.
Comecei pela maquiagem, me olhar no espelho e ver aquela cara de desânimo não estava legal. Ok. Maquiagem feita. Máscara de autoconfiança e desapego. Na dúvida de roupa....vai o vestido preto básico mesmo.
-Tá linda! Não vai escolher uma lingerie legal?! Você ama lingerie...Tem tantas lindas!
-Lingerie pra quê? Não...esse vestido não precisa de soutien, muito menos de calcinha. E ainda ninguém verá o que tem por debaixo do vestido. Você me conhece.

Já sei. Vou ver meu amigo cantar num bar.Fui.
Sentei na mesa mais próxima do palco que tinha disponível. Pedi meu creme de maracujá (pra quem não sabe é um suco de maracujá que ao invés da água leva leite, e ainda leite condensado).
Apesar de meu amigo estar no bar, eu estava sozinha e mesmo sozinha eu não tinha coragem de olhar em volta (no sentido "caça"). Dessa vez não tinha desculpa de amigo nenhum.
Acho que não tenho talento pra paquerar. Tenho talento pra conhecer, conversar, coisas naturais...sei lá.
Fiquei observando. Uma turma de amigos e amigas onde todos falavam ao mesmo tempo e ninguém se ouvia. Uns 3 amigos (homens) conversando de verdade, rindo, interagindo e totalmente presente ali. Um casal apático. Umas 4 mulheres disputando quem era mais vulgar e, pasmem, váriossssssssssss homens encarando-as. Era um leilão. Tinha também, uma mesa com 6 pessoas sendo que 3 delas estavam com seus "malditos smartphones" nas mãos, teclando e ignorando completamente o mundo real. O grupo de 3 amigos estava mais perto de mim e dava pra ouvir a conversa (eu sei, é feio isso! Mas era inevitável já que eu estava sozinha). Incrivelmente eles falavam de relacionamentos, um contava a história com a ex, estava dizendo que a amava mas que ainda não era hora. (hora de amar?!Ó Céus, que espécie de excesso de organização é essa?). E um dos amigos concordava com ele, dizendo que ele tinha que focar nisso, naquilo (e advinha onde era o foco? No próprio cara!). Eu não dei conta e me atrevi a entrar no assunto.
-Desculpe, mas não pude deixar de ouvi-los conversar e...posso perguntar uma coisa?
-Ué, pode. É bom ouvir uma opinião feminina.
-Você não acha que pode fazer tudo isso com a mulher que você diz que ama? Ou você não acha que está sendo completamente egoísta?
-Eu, egoísta?Não! Mas tenho que pensar em mim.
-Ah! Óbvio! Pense sim, mas PENSE MESMO e não simplesmente use essa frase para justificar seu egocentrismo. No mínimo você acha difícil assumir um compromisso mais sério (tipo casamento) com alguém que não seja VOCÊ MESMO, né?!
-Você pensa mesmo isso?
-Penso.
-Ok. E por que a 'Senhora Relacionamento' está sozinha num bar em pleno sábado?
-Porque eu precisei me dispor de meu orgulho, precisei de tempo e muita coragem pra me encarar e ver isto. Estou apenas evitando todo esse trabalho que você teria. E tem mais, depois que eu descobri isso e resolvi mudar, me abrir...me apaixonei e ironicamente meu namorado(ex) agia da mesma forma que meu passado. E abriu mão de nosso amor. Mas eu não consegui esquecê-lo, descobri que não era paixão e sim amor. E não consigo amar outra pessoa, mesmo sabendo de todos os defeitos dele(que são poucos!). Resolvi sair pra ver gente, pra conhecer outras pessoas, pra prosseguir mas....
-Mas, você sempre acaba voltando nele como assunto na sua cabeça, né?!
-É...
-Mas você é tão linda, tão inteligente...
-E estúpida.
-Não, não...TÃO VERDADEIRA.
-Mas quem disse que as pessoas querem a verdade?
Passei as últimas 4 horas no bar com eles. Rimos um bocado, conversamos besteiras, brincamos...Troquei telefone com eles e já marcamos uma próxima "saída".
Voltei pra casa feliz por ter aprendido e ensinado algumas coisas. Feliz por conseguir sair!
Mas voltei pra casa sem meu grande amor ter saído de dentro de mim.


sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

E o amanhã?



Hoje está tudo meio dolorido. As lembranças, uns sonhos frustrados, o presente inexplicável, a tentativa do novo me corroendo.
Eu sei, assim é a vida. Altos e baixos.
Hoje, sinceramente, não foi o melhor dia. Posso ter tido uma excelente manhã, mas e o amanhã?
A tarde não soube responder. A noite esfriou.
E o amanhã?
Minha sensibilidade, tantas vezes disfarçada, hoje não aguentou. Mostrou-se, mostrou-me.
E cá estou, sem saber o que fazer com tanta clareza.
Me vejo, me leio, me entendo. Não me entendo. Me surpreendo, me frustro. Me espero, te espero?
E o amanhã, Meu Deus, e o amanhã?

Apenas seja.

Vendo algumas atrocidades me pergunto: até onde é cultura e costumes, e ATÉ ONDE A MALDADE e DESAMOR SE ESCONDEM ATRÁS DA CULTURA?
Até que ponto devemos suportar a "CULTURA" como justificativa pra tudo (maus tratos, suicídios, assassinatos,...)????
Vivemos numa época tão afoita com as "descobertas" que já confundem liberdade com escravidão. Exagero???Não não. Pare e pense.
O que pensamos que é liberdade, muitas vezes é prisão.
Pensamos que beber exageradamente ou usar drogas é sinal de liberdade? MUITO PELO CONTRÁRIO. Não há nada mais óbvio de que vive numa prisão. "Ah eu não preciso, é que eu gosto". MENTIRA. E você sabe que é mentira. Saia, comemore, usufrua de boas companhias sem esses "adicionais". É a mesma coisa? Não? Então você está preso.
Pensamos que beijar trocentas pessoas sem nem sentir nada é liberdade. Será? Isso tem mais cara de "escravo do desejo".
Pensamos que escolher se você quer ser homem ou mulher é sinal de avanço, de liberdade...Repensemos. Será que não é apenas um modismo, uma vontade de ser livre (de não sei o quê), não é só uma covardia e não querer enfrentar os fantasmas emocionais???
Pensamos que é liberdade rezar 'não sei quantas vezes ao dia' (por obrigação, por medo, por "barganha"...), ajoelhar direcionado para 'tal lugar'...Não, isso é engano. O nome disso é religião. E religião oprime, amarra. Liberdade é falar com Deus, expor medos, fracassos,....É não querer ser forte e independente Dele....e sim ser forte Nele, por causa Dele. Liberdade é ter o coração grato e não ser escravo do orgulho inútil.
Há um caminho para Liberdade, para o autoconhecimento....JESUS, o Cristo. Porque quando O conhecemos, ELE nos revela quem somos também.

Por favor, não seja guiado pelos jornais, por pessoas "ditas revolucionárias e pensantes", nem por modismos, ou simplesmente pela maré (pra onde o povo andar você vai)...Não! Faça algo por você. Procure Aquele que o criou, que o Amou e o ama apesar de tudo...Aquele que vem porque somos maus, porque precisamos, e não porque somos bons.
Paremos de usar a "cultura/costumes" como justificativa pra tudo. Paremos de nos apegar à detalhes que SABEMOS MUITO bem o que significam mas que queremos provar nossa "inteligência" ou queremos contrariar. Isso é lastimável!
Essa história de "PROCESSO" pra tudo já deu! Que falta de identidade! Isso só prova que você não se conhece e teme que estejam falando a verdade!

Ame-se. Ame o próximo (e o distante também...aquele que é tão diferente de você).
RESPEITE-SE.
NÃO SE ESCONDA em religião, em "noitadas", drogas, vício em trabalho...ENFRENTE-SE.
Há uma beleza incalculável em ser quem você é. Apenas seja.