Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

De repente.


Ela não programou encontrá-lo.
(Mas ele já a esperava.)
Caminhava com a mente vaga.
Programar nunca foi seu forte.
Encontrá-la era quase uma questão de sorte.
Mas em sorte ela não acreditava.
Portanto ele tinha que ter os anjos a seu favor.
Encontra-lo, isso sim, era uma questão de sorte (mesmo que ela não acreditasse em sorte!).
Ela abraçava o mundo com amor! Mas sempre deixava um espaço particular em seus abraços.
Eram abraços sinceros, fortes...Mas não permitia que nenhum tocasse (de forma amorosa) seu coração.
Talvez por proteção. Talvez por insegurança. Talvez...porque não era a hora mesmo.

Ele? Bom, ele carregava o mundo. (o que na verdade poderia dificultar o encontro deles, já que no meio do mundo inteiro ele teria que enxergá-la).
Mas ele carregava também um monte de sentimento, um monte de carinho e atenção para distribuir de graça e com muita graça. E entregava-se ao AGORA...era intenso. Mas era intenso e ponto. Um intenso com muita "medição", um 'intenso' calculado, pensado.
Talvez por opção. Talvez por decepção. Talvez...porque não era a hora mesmo.

Esbarraram-se.
E no primeiro momento, as tintas se misturaram.
Seu espaço particular já não existia. E algo diferente ela sentia.
Olharam-se.
Ele ainda tentava medir, pensar...
Trocaram meia dúzia de palavras não ditas.
Riram de coisa nenhuma.
E sem mais, nem menos ele repousou a mão sobre a mão dela.
(a mão sempre foi a parte, que pra ela, era mais íntima. Por isso esse momento lhe parecia mais embaraçoso)
E ela, mesmo sabendo da racionalidade do outro lado, repousou o coração no corpo dele.
A razão dela disse "Calma", mas seu coração já estava cheio de PAZ. Seu instinto disse "vá"...ela parou pra pensar, mas ele escutou e logo a beijou.

E foi assim, que sem querer encontrar encontraram-se. Sem querer olhar, olharam-se.
Sem achar que era a hora certa, acharam-se.
E desafiando a razão, o tempo, os modismos modernos, os "por quês"...assumiram-se.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

É mais ou menos assim quando encontramos quem merece...




Os cílios esticam-se todo e levantam os olhos.
Os olhos refletem tudo que a alma vê... e dá gargalhadas!
A tinta rosada, do amanhecer que Deus pintou, cai nas bochechas.
A boca se torna apenas uma passagem (nada secreta) para que o coração salte!
O coração abre os braços e voa!
Um grito forte e doce gruda na garganta.
E a sede DO OUTRO aumenta.

No peito, um sentimento que não cabe.
No estômago...borboletas!
No ventre, um sonho sendo gerado.
Mais pra baixo... calor.
As pernas ficam vacilantes, e um simples sopro é capaz de mudar um passo.
Os pés...os pés se entrelaçam nas pernas dele para se aquecerem. E quando têm que se levantar, caminham sempre na direção sobrenatural do Amor.
E com o Dom Supremo (Amar/Amor) à flor da pele, à pele só resta arrepiar.

Sobre o amanhecer...



Enquanto a gente dorme Deus brinca de colorir o Céu.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Sobre a pescaria



É quando lança-se um bocado de Fé no mar de Deus e pesca-se sonhos.

Sobre o perfume.



O que o pequeno Lucas nunca entendia era o que aquele vidro de perfume dizia à sua irmã. Pois todos os dias em que ela ia sair com seu namorado, lá estava o perfume cochichando ao pé do ouvido dela...dizendo coisas que a deixava toda inspirada e pronta para um novo encontro.

O amor assumiu.



Já era noite
As estrelas disputavam quem brilhava mais.
A Lua estava tranquila e soberana.

Vestimentas no chão
A água estava convidativa.
Não puderam dizer não.

Mergulharam
Se entrelaçaram

O tempo estava frio
O corpo fervia
E Deus, com muito amor, os servia.

A música se apresentou
E todo seu encantou espalhou.

Ele cantava
Ela sonhava

O vento passou
E aquele mar de gente, levou.

O mundo ao redor sumiu
E o amor, simples, assumiu.

E assim Liz prossegue ...

Liz era toda alegria!
Andava pela vida, gargalhava com o vento...Distraída que só ela, às vezes não percebia quando alguém partia.
Não sabia abandonar, mas se abandonava vez ou outra.
Não se descuidava, apenas se deixava escapar pelo caminho.
Ia semeando pedaços de si. E a cada esbarrão com alguém ela era esculpida.
Com o passar dos anos, ela adquiriu a forma inteira. Uma forma completa.
Fôrma de quem deu amor e distribuiu alegrias.
Como a vida é milagrosa, quanto mais ela dava, mais inteira ela ficava.
Até que um dia ela esbarrou numa alegria-encaixante e a delícia de ser quem era passou a ser dupla. (Porque o encaixe perfeito não são de duas peças pela metade, são de duas peças inteiras!)
Como violeiro e violão, duas delícias inteiras juntas, compondo uma única canção.

sábado, 21 de agosto de 2010

Vamos parar de maquiar a realidade?

Eu ouço cada coisa do povo...E agora vim compartilhar uma das coisas que ouço e o que respondo.

"Não existe mais fidelidade"_(caramba! Mataram-na e nem me avisaram! Dentro de mim está viva e saudável).
Acho que um dos alicerces de uma relação é a verdade.
Mas falar a verdade não justifica a falta de 'vergonha na cara'. Muito menos anula sua composição*.
Lealdade, fidelidade, respeito...tudo isso está dentro da Verdade*.
(E amor e verdade devem sempre andar juntos!)
Não me venha com conversas de que lealdade é uma coisa e fidelidade é outra, e verdade uma terceira coisa.
"Sou leal no meu coração"_algumas coitadas(os) escutam. Meu querido, se você é leal, o caminho mais natural é que suas ações correspondam a sua lealdade. Ou seja, permanecendo fiel.
"Ah! Mas eu sempre vou ser sincero", eles(as) continuam. E desde quando isso te isenta da responsabilidade de possuir o coração alheio?
Traição, deslealdade, infidelidade...tudo isso está dentro da Mentira. E mentira é algo que não merece nem mesmo que mencionemos.
Lembre-se que ao trair alguém, antes você trai a você mesmo. Trai o que você diz, é infiel com suas ações e pensamentos...E não tem coisa mais lastimável do que SE enganar!
A traição causa uma dor tripla, pois é a dor de se ferir, de ferir 'VOCÊ' que existe no outro, e ferir o outro.
Por isso, melhor pensar bem se essa onda de "aproveitar o momento" é justificável.


obs: Não estou dizendo que traição é o pior dos monstros, não! Mas é um monstro que assombra muita gente, e pior, para alguns é normal. Só estou pedindo verdade ao lidar com você mesmo(a) e com os outros.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Saudadeeeee



Saudade não é uma coisa só.
Não é singular nem 'definível'.
É flexível, e por vezes, suspeita.
Suspeita porque é discaradamente parcial.

Não se tem saudade apenas de pessoas,
Tem-se de momentos que passamos, de lugares que deixamos, de emoções que sentimos.
E muitas vezes ela vem apenas dar o ar da graça, para nos lembrar de algo, para nos proporcionar novamente aquela emoção, ou mesmo para nos mover.

Tem horas que dá saudade da risada de alguém
Outras, da comida da mãe, do abraço do amigo...Aí, até então, é uma saudade tranquila, mais fácil de saciar.
O grande "problema"(se é que podemos chamar de problema) é quando a saudade vem inteira e e não sobra espaço pra mais nada. E você quer a pessoa, o momento, a ação, a emoção...
Aí, minha gente, é saudade que não cabe no coração!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Florido e sólido.



Quando era pra escrever sobre sentimentos tristes, desanimadores
Palavras nunca me faltavam
Aliás, elas sabiam exatamente como florear a realidade.
Agora que o presente já é florido
Não sei o que dizer
Não falta nada. Não posso acrescentar nada.
Sento-me diante do computador
E apesar de a mente estar cheia, a tela permanece vazia.
Talvez escrever no caderno seja melhor
Mas o branco do papel nada me ajuda, nada me lembra.

O coração envolvido, esquenta.
E aquecido demais, derrete
E se espalha por toda rua
Por toda estrada.

E carregando meu mundo.
Prossegue até chegar em você.
Te envolve e, o que antes estava derretido,
Se solidifica, transformado em nós.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A hora certa é agora.

De repente a cidade ficou grande
O coração ficou pequeno
As ruas vazias
A alma cheia.

Minha mente falando sem parar
Minha boca calou.
Meus olhos nem procuravam
Mas um anjo o achou.

É o mesmo número.
O mesmo encaixe.
O mesmo querer.

Tanto tempo se passou.
Tanta coisa aconteceu.
Mas a hora é exata.
É agora.

Só mais uma declaração ao meu Melhor Amigo.

Pai, Aba Pai...
Eu te amo tanto, tanto...
É tanto amor que o Senhor faz brotar aqui dentro que implode e sai esparramando pelo meu corpo. Transborda.
Quanto mais te conheço, mais quero conhecer.
Quanto mais te tenho, mais quero ter.
É tudo tão forte. Tão reconfortante. Tão amplo.
Tão inteiro.
Hoje não tenho muito o que dizer, digo apenas que contigo quero me parecer.
E claro, muito obrigada...sempre, meu Deus.

domingo, 8 de agosto de 2010

Próximo degrau, por favor!

Quem foi que disse que pra falar de amor é preciso estar no gerúndio? É preciso estar amando?
Não. Pra falar de amor basta ter coração e deixar falar a emoção.
Eu até pensava que era assim(como disse acima).
Mas aos poucos vi as palavras caindo, frases desmoronando. E percebi que pra falar de amor é preciso menos ainda.
Muita gente nem coração tem mas tem o dom da oratória. Não deixam a emoção falar, pelo contrário, com muita razão escolhem palavra por palavra até um(a) trouxa acreditar.
Não querendo ser incrédula no sentimento alheio, mas tentando estar atenta, há momentos que me pego acreditando sem acreditar. Me vejo reclusa. Me assusto com o que se passa do lado de fora de minha janela.
Não sei se fazem por maldade, por "hobby", por vício...mas tratam sentimentos como algo fugaz. E isso, meu caro, não se faz!
Pelo menos, não no meu mundo.
Muito cuidado, rapaz! "A sua sociedade usa as pessoas e descarta-as como objetos. Cuidado, meu jovem! Os aplausos não duram."_A.Cury
Quando os aplausos cessam, 'esses' buscam desesperadamente pelos sentimentos que deveriam vir dentro das palavras que falaram! Mas aí já é tarde. E eles, não acreditando em nada e ninguém por não terem encontrado os sentimentos que eles mesmos jogaram fora, desacreditados voltam a 'treinar seus poderes de conquista'. E o ciclo vicioso começa novamente.
Quem nunca caiu nessa conversinha que atire a primeira flor! Atire as flores que deram...Flores desprovidas de carga, de coração, de eternidade...Flores que vivem do momento e depois...murcham. Secam. Secam-nos.
Numa sociedade "carpe diem", tudo é descartável. Inclusive eu. Inclusive você.
Mas se não se contenta com esse tipo de atitude, tente fazer diferente! Não caia nessa de "se todo mundo faz..eu também faço! O mundo está assim...tenho que dançar conforme a música".
Ser a gente mesmo numa sociedade que insiste em nos tratar como massa é o grande desafio dessa geração! E aí sim, pra lutar diariamente é preciso ter coração.
Pra falar de amor não. Pra falar só precisa abrir a boca.
Mas pra viver um amor é preciso coragem, muita coragem de abraçar quem está com você e dizer 'ele(a) me basta! Não preciso experimentar...'. Se contentar e alegrar com a chegada de um amor e subir de degrau com ele, ao invés de usá-lo, esperar o próximo e continuar no térreo das emoções.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Só compartilhando ...

"Quando alguém se apaixona, seu ser é carregado para estados inebriantes, para níveis de consciência muito acima dos comuns, além dos que as pessoas têm capacidade para suportar, quase sem nenhuma exceção.[...]
Precisamos diferenciar AMAR e ESTAR APAIXONADO. Tentar defini-los requer certa coragem. Amar alguém é ver a pessoa como relamente ela é, e apreciá-la pelo ser que é, com suas falhas, com suas banalidades, com sua magnificência.
Se pudermos desfazer-nos da cortina de nevoeiro das tantas projeções que fazemos na vida e conseguirmos olhar verdadeiramente para o outro, veremos que ele, na sua individualidade terra-a-terra, é uma criatura maravilhosa. O problema é que, por serem muitas as pessoas e ficarmos cegos por nossas projeções, raramente podemos ver outro claramente, em toda a sua profundidade e nobreza.
[...]Amar nada tem de ilusório; é ver o indivíduo, vê-lo, mas não através de um determinado papel ou imagem que tenhamos planejado pra ele. Amar é dar valor à individualidade daquela pessoa...É algo durável, permanete, real.

Estar apaixonado é outra questão...De repente, vê-se no ser amado um deus ou uma deusa, e através dele-ou dela- vislumbra-se um estado de ser além do pessoal, além da consciência. São sensações explosivas e inflamadas, uma verdadeira loucura divina.
Se alguém observar dois apaixonados olhando um para o outro, vai perceber muito bem que eles estão olhando "através". Cada um deles está apaixonado por uma idéia ou um ideal, ou ainda por uma emoção. Estão apaixonados pelo amor.[...]
A pior coisa, nisso de estar apaixonado, é que não dura.
O estar apaixonado é uma visitação de algo divino. É um deus ou deusa vivendo na Terra, o que não encaixa bem nas dimensões humanas."

por Robert A. Johnson, fragmentos do livro SHE.

É bom entendermos um pouco mais de nós e de nossos sentimentos.

Por isso...
"Nunca diga te amo se não te interessa. Nunca fale sobre sentimentos se estes não existem.
Nunca toque numa vida se não pretende romper um coração. Nunca olhe nos olhos de alguém se não quiser vê-lo se derramar em lágrimas por causa de ti. A coisa mais cruel que alguém pode fazer é permitir que alguém se apaixone por você quando você não pretende fazer o mesmo."

domingo, 1 de agosto de 2010

Entre conversas e confidências...

-Eu fico tão feliz com a confiança que ele sempre teve em mim!
-É, é verdade...
-Ele sempre se preocupou por saber que morava só, compartilhou os amigos dele comigo,... tanto é que ontem estávamos conversando e ele estava trabalhando, aí os meninos chegaram e ele disse "fica conversando aí com os meninos, mata a saudade...daqui a pouco volto".
-Sim, meu bem, mas é porque ele te conhece.
-É...aliás, você é a maior prova desse "compartilhar"...melhor amigo dele, se tornou meu amigo íntimo também...a ponto de sairmos só nós, né...[...]Eu não gosto quando desconfiam de mim, ...
-Mas, meu bem, não é questão de desconfiar. É que o mundo está do avesso...
-Mas eu não, ué!
-Sim, mas tem que te conhecer! Porque não é comum. Hoje eu sei, por exemplo, você pode sair com um cara e levá-lo na boa...Você faz a gente virar aquele amigo-gay...porque a gente quer estar perto, mas sabe que você não vai dar abertura pra nada.
-ahahahhahahahahha....Entã...Esses dias um cara me chamou p almoçar, eu fui, né...Daí, depois que ele viu que não ia passar daquilo...deve ter ficado frustrado!ahahahaha
-Mas, você acha que o cara te chamou pra que?
-Ué...ele disse que era pra almoçar. Então, tem que ser pra almoçar!ahahahahahahaha....se esperar mais do que isso vai se frustrar, certezaaaaaa!
-Mas, meu bem, não interprete o cara mal....se ele não entender no início. É que o cara tem que te conhecer...Nosso amigo te conheceu e conhece bem, por isso é tranquilo...
-Hum...Acho que o que acontece é que vocês enxergam o que seriam capazes de fazer. Eu acredito, por isso espero que acreditem também.