Dupla Delícia.

Dupla Delícia.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Dissemelhança


Às vezes dependendo do ângulo que vemos parecem ser a mesma coisa.
Os sintomas se confundem, nos confunde.
Mas há uma diferença entre eles.
Talvez seja apenas diferença de idade, de tempo.
Mas talvez não.
Acho bem provável que a diferença vá além disso.

Dois sentimentos que podem vir juntos ou separados.
Paixão e amor.

A paixão parece ter a ousadia da juventude e muitas vezes nos passa uma rasteira.
Quando percebemos ela se apossou de nossos pensamentos.
Podemos perder a cabeça por causa dela.
Mas é fugaz, tem prazo de validade. Segundo pesquisas científicas dura no máximo dois anos e meio.
Não estou dizendo que quando chega o 'dia do vencimento' cada um vira pra um lado e vai embora. Não. Ainda existem humanos. Não somos robôs.
O carinho continua, o 'querer bem'...
Só que a paixão é lenha,...quando ela acaba logo o fogo se apaga.
Não deixa de ser boa. Não deixa de ser interessante.
Não deixa de ser uma experiência válida.
Mas decisões importantes não devem se basear no que não tem raíz.

Ela até parece Amor.
Mas o amor....Ahh o Amor!


O Amor tem toda a paciência do mundo, entra com delicadeza.
Às vezes nem percebemos que ele entrou. Mas lá está ele fazendo dos detalhes a maior maravilha do mundo.
Só que como o Amor é mais maduro, ele também sabe a hora de se retirar.
E ele só fica no coração de quem o quer.
Amar é uma escolha também.
E diferente da paixão que se apossa de nossos pensamentos, o amor é uma escolha que toma conta de nosso coração com sabedoria. E você sabe, né...Quando algo se apossa do coração, toma o corpo todo.
O amor respeita o outro. Se algo fere o coração do outro ele sabe ceder. Ele calça os sapatos do outro, enxerga através dos olhos do outro.
Claro que o Amor Se RESPEITA também, mas sabe que ceder em uma coisa aqui NÃO significa SE abandonar ou se anular. Isso é construção de relacionamento.

Achamos a paixão ousada demais...Mas muito mais corajoso é o Amor. Que nasce sem "porquês" e quando necessário, sabe abrir mão do que se ama e continua amando.

Enquanto a paixão é inconsequente (às vezes), para se assumir o amor tem que ter responsabilidade e pra assumir uma responsabilidade é preciso muita coragem.

A paixão até sabe viver sozinha com alguém.
Explico: quando uma pessoa está apaixonada por outra e a outra nem tanto, a pessoa apaixonada consegue manter a chama pelos dois.

O Amor não.
Ele ama sozinho também, é claro. Afinal, é um sentimento divino.
Mas, ele precisa do outro pra ser completo. Ele pensa no outro.


É muito bom quando os dois caminham juntos sempre.
Porque assim, quando a impaciente paixão decidir embora, o Amor é porto-seguro. E a paixão pode voltar sempre se houver amor.


"Às vezes, quando o desejo nos impele, amar é espontâneo, mas muitas vezes significa escolher amar, decidir amar. Caso contrário, o amor não passaria de emoção, de superficialidade, ou até de egoísmo, e não aquilo que é na sua essência profunda: algo que compromete a nossa liberdade. (Jacques Philippe)

"Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós." (Clarice Lispector)

3 comentários:

  1. Tá demais hein Renatinha?

    Gostei demais!

    Bjão!

    Mantenha-se inspirada!

    ResponderExcluir
  2. Fevereiro, o carnaval toca a carne ao som do surdo e do tamborim...

    Em fevereiro vc propõe o pensar amor-paixão, ao som do surdo e tamborim...

    Muito bommm...

    ResponderExcluir